por Silvio Meira

a próxima máquina de busca

a

paul graham  não nasceu ontem. nem está no negócio de financiar novos negócios inovadores de crescimento empreendedor há pouco tempo. paul é "o" cara do Y combinator, um dos aceleradores de empresas mais famosos e mais bem sucedidos do mundo. mais de 380 startups passaram por ele desde 2005, incluindo dropbox, reddit, disqus e airBnB. não é coisa pouca. graham vê milhares propostas de começar negócios inovadores por ano. e tem coisas que ele não vê de jeito nenhum. resultado? uma lista de negócios bilionários esperando alguém para fazê-los agora. isso, agora.

a primeira oportunidade é uma "nova" empresa de busca. o que já dá a altura do que graham procura. e não é por menos, já que estamos falando de negócios de bilhões, e não daquela milésima cópia de groupon que mais um startup brasileiro está tentando reinventar. pois bem. graham diz que google já foi "a" companhia, genial, inovadora, minimalista, mas que faz tempo que a empresa se perdeu, porque resolveu competir com faceBook, num negócio do qual não entende nada, que não faz parte de sua alma corporativa.

aliás, esta é uma das razões pela qual jim whittaker saiu de lá dizendo, no blog dele, que…

The Google I was passionate about was a technology company that empowered its employees to innovate. The Google I left was an advertising company with a single corporate-mandated focus.

…o google onde ele foi trabalhar era uma companhia de tecnologia que empoderava seus colaboradores para inovar; o que ele deixa é um negócio de anúncios com um único foco corporativo.

graham tem uma receita: faça sua própria máquina de busca. se você e os 10.000 melhores hackers do mundo quiserem usar esta nova máquina e não google, você está no caminho certo para um IPO de sucesso, levando pelo menos alguns bilhões para seu bolso. claro que é difícil de fazer melhor do que google e há problemas de grande monta: algoritmos, complexidade, infraestrutura, o diabo. mas uma coisa é certa: quando [e não se!…] alguém fizer melhor do que google, vai se dar muito bem.

quem já tentou fazer?… entre os pequenos, dignos de nota, wolframalpha e blekko, mas nenhum dos dois sequer arranhou o prestígio ou receita de google. entre os grandes, bing, da microsoft, que, digamos, tem um longo caminho a percorrer. e tem baidu, um clone chinês de google, muito bem sucedido por lá, mas que não dá para contar numa lista de novas empresas de busca.

o blog resolveu perguntar, a quem entende do assunto, o seguinte: qual a possibilidade de uma destas próximas máquinas de busca vir do brasil, de três pontos de vista 1. científico, 2. tecnológico e 3. de empreendedorismo e investimento?

quem responde é o prof. nívio ziviani, respeitado pesquisador brasileiro da área de tratamento de informação, empreendedor serial [fundador da akwan, de belo horizonte, comprada por google] e com décadas de experiência em ciência, tecnologia, negócios e brasil:

Para entender o tamanho do problema de construir uma máquina de busca competitiva é importante conhecer as diversas gerações desde o surgimento da web por volta de 1993, a saber:

(1) Para responder uma consulta, a primeira geração ordenava os documentos recuperados considerando apenas dados estatísticos (frequência das palavras da consulta em cada documento e número de documentos em que cada palavra ocorre) e o principal representante dessa geração era o AltaVista.

(2) A segunda geração passou a considerar, além de dados estatísticos, as ligações entre os documentos (hyperlinks), e o principal representante dessa geração é o Google.

(3) Na terceira geração, o comportamento do usuário passa a ser considerado por meio da análise de clicks, isto é, os clicks realizados pelos usuários refletem preferências por respostas específicas no contexto de uma determinada consulta.

(4) A quarta geração (a contemporânea) introduz contexto (por exemplo georeferenciamento) e conhecimento especializado (uma consulta sobre um artigo técnico localiza o arquivo PDF relacionado, uma consulta geográfica mostra um mapa, uma consulta sobre voos retorna uma tabela, uma consulta sobre a Receita Federal retorna links para download, etc.).

Uma máquina de busca de quarta geração utiliza centenas de fontes de evidência para retornar uma resposta para um usuário. Em suma, o desenvolvimento de uma máquina de busca competitiva tem um custo absurdamente alto.

O desenvolvimento de uma nova máquina de busca significa competir com Google. A Microsoft tem tentado, talvez por medo do crescimento de Google. Bing teve um custo inicial de desenvolvimento de cerca de US$2 bilhões, e envolve muitos engenheiros altamente especializados. Pior do que isso, Google está impondo uma agenda para a Microsoft em um negócio em que ela não é competente.

Qual é a possibilidade de uma das próximas máquinas de busca que venham a surgir vir do Brasil? Para responder vou falar das condições necessárias para que isso tenha alguma chance de acontecer, a saber:

1. Estímulo governamental através de incentivos. Necessidade de capital a custo zero, como existe nos Estados Unidos. Não resolve investir poucas centenas de milhares de dólares em uma startup, tem que ser algo da ordem de US$10 milhões para que a startup possa usar US$2 milhões por ano em 5 anos para pensar a empresa com folga.

2. Existência de centros de excelência. É necessário ter centos de pós-graduação e pesquisa de grande porte e classe mundial, muito bem financiados, para criar densidade de pessoal qualificado.

3. Existência de pessoas que entendam de formas de monetizar uma tecnologia, como derivar produtos de uma boa tecnologia, como vender produtos inovadores, experiência de uso na web, aspectos legais
de tecnologias da informação e negócios nelas baseados, entre muitos outras competências.

Também é importante entender que empreendimentos que ficaram gigantes (por exemplo, Apple, Google, Facebook) nasceram como startups. No nosso país existem partes dos condicionantes discutidos. Em outras palavras, para que aconteça algo do tipo no Brasil é preciso entender que pequenas iniciativas de qualidade precisam de injeção de recursos para poder prosperar e crescer para tamanhos maiores.

pense num problema. e google, por sinal, não morreu. reportagem longa e recente no WSJ [comentada em detalhe neste link] diz que brin e page devem lançar em breve uma máquina de busca de quinta geração, capaz de fazer tratamento semântico de informação de busca e resultado de forma muito mais sofisticada do que se faz hoje e capaz de produzir respostas mais diretas e precisas às perguntas dos usuários. e, como seria de se esperar, aumentar ainda mais o acoplamento busca-resultado-anúncio, que é onde a empresa ganha o pão de cada dia.

se rolar, se não for hype, a barreira de entrada neste nicho da economia da rede ficará ainda mais alta. e os resultados de um sucesso potencial ainda maiores. junte sua turma e comece a trabalhar, seu bilhão lhe espera…

image[5]

Sobre o autor

Silvio Meira

silvio meira é cientista-chefe da TDS.company, professor extraordinário da CESAR.school e presidente do conselho do portodigital.org

por Silvio Meira
por Silvio Meira

Pela Rede

silvio meira é PROFESSOR EXTRAORDINÁRIO da cesar.school, PROFESSOR EMÉRITO do CENTRO DE INFORMÁTICA da UFPE, RECIFE e CIENTISTA-CHEFE, The Digital Strategy Company. é fundador e presidente do conselho de administração do PORTO DIGITAL. silvio é professor titular aposentado do centro de informática da ufpe, fundou [em 1996] e foi cientista-chefe do C.E.S.A.R, centro de estudos e sistemas avançados do recife até 2014. foi fellow e faculty associate do berkman center, harvard university, de 2012 a 2015 e professor associado da escola de direito da FGV-RIO, de 2014 a 2017.

Silvio no Twitter

Arquivo