por Silvio Meira

nos eua, a tv envelhece. e aqui?

n

senhora-jogando-boliche.jpgestudo da magna global, que acaba de ser publicado nos estados unidos, revela que a mediana de idade do espectador de tv ao vivo das cinco redes nacionais americanas acaba de atingir cinquenta anos. a rede “mais velha” é a cbs, com uma mediana de 54 anos; e isso quando a mediana de idade, nos estados unidos como um todo, é 38 anos.

o que parece irreal, no cenário, é que as redes “testam” seus programas com grupos de espectadores cuja mediana de idade é mais perto da nacional… ou seja, mesmo que os programas estejam dando certo com os grupos de teste, não são eles, na população em geral, que estão vendo tv.

os dados confirmam, em todas as pesquisas, que TV é, cada vez menos, a principal tela das pessoas; a mediana de idade vem subindo há uma década e, entre os mais jovens, internet, [inclusive vídeo online] celulares e games são muito mais importantes como meios de informação, conexão e entretenimento. e os mais idosos não parecem estar parados… o controle remoto nas mãos da senhora, na foto que ilustra este texto, não é de tv, mas do wii… e ela está jogando boliche virtual [veja a reportagem inteira, do telegraph, aqui].

verdadeiras ligas de esportes virtuais estão sendo formadas em retiros para a terceira idade no mundo inteiro e os residentes parecem estar achando a estória toda muito mais divertida do que tv pura e simples. há saídas para a tv? sim. mas nenhuma delas parece com a tv de hoje. na inglaterra, por exemplo, a bbc vai tornar seu iPlayer disponível em televisões digitais conectadas à  internet, o que permite ver, pela rede e sob demanda, qualquer programa que tenha ido ao ar nos últimos sete dias. na tela da tv. com a tv sendo só a tela, nada mais. todo resto é internet.

diante de tal cenário global, onde fica nossa tv digital aberta [da qual se ouve falar muito pouco, por sinal]? um executivo do grande varejo nacional diz que, no topo de todos os problemas já citados [mas mitigados pela baixa penetração da internet banda larga no brasil], nosso sistema de tvd, sem conteúdo diferenciado e/ou interatividade, compete com uma pura e simples antena externa.

isso porque os receptores de tvd precisam de antena externa para funcionar em boa parte das situações, especialmente onde, hoje, a recepção [analógica] com antena interna não é boa. neste caso, uma antena externa propriamente instalada já muda a qualidade do sinal analógico da água para o vinho. sem programação dedicada nem interação, pra que comprar o set top box, se uma antena resolve o problema?…

Sobre o autor

Silvio Meira

silvio meira é cientista-chefe da TDS.company, professor extraordinário da CESAR.school e presidente do conselho do portodigital.org

por Silvio Meira
por Silvio Meira

Pela Rede

silvio meira é PROFESSOR EXTRAORDINÁRIO da cesar.school, PROFESSOR EMÉRITO do CENTRO DE INFORMÁTICA da UFPE, RECIFE e CIENTISTA-CHEFE, The Digital Strategy Company. é fundador e presidente do conselho de administração do PORTO DIGITAL. silvio é professor titular aposentado do centro de informática da ufpe, fundou [em 1996] e foi cientista-chefe do C.E.S.A.R, centro de estudos e sistemas avançados do recife até 2014. foi fellow e faculty associate do berkman center, harvard university, de 2012 a 2015 e professor associado da escola de direito da FGV-RIO, de 2014 a 2017.

Silvio no Twitter

Arquivo