SILVIO MEIRA

A escola e a virtualização do aprendizado

O título do artigo pode ser lido, também, de uma outra forma, acentuando uma letra e introduzindo pontuação: a escola é a virtualização do aprendizado? Nesta segunda leitura, mais antiga, mais profunda, a pergunta se refere à caracterização da escola propriamente dita.

Segundo Pierre Lévy, no seu livro “O que é o virtual”, o humano se constituiu (e se constitui) através de virtualizações. Na verdade, através de três virtualizações básicas, facilmente explicáveis.

O tempo, de importância fundamental para nosso entendimento do passado e planejamento do futuro, foi criado pela virtualização do presente por via da linguagem, possibilitando, através do discurso, o passado e o futuro. A tecnologia da fala nos torna completamente diferentes de qualquer outro tipo de ser vivo até agora identificado no universo.

A segunda virtualização é a que atinge as ações, realizada através das técnicas: as “invenções” humanas, ultrapassando em muito a utilização rudimentar de ferramentas por outros seres, criou um mundo de possibilidades que nos diferenciou ainda mais do resto do planeta. Os conceitos subjacentes à roda, por exemplo, podem ser tratados, em conjunto, como a virtualização do movimento, da ação de nos movermos de um ponto a outro. Para o que, hoje, rodas são fundamentais, até no espaço sideral, onde nada se move sobre rodas, mas tudo usa rodas (de uma forma ou de outra) para se mover.

Finalmente, os contratos, que criam éticas e instituições, por exemplo, virtualizam a violência, criam o que possamos talvez imaginar como sendo a sociedade moderna, onde nada se resolve “na porrada”. E quando alguém o faz, assim,  o “contrato social” estipula a reação pública aos infratores. O livro está disponível, grátis e em português, neste link.

Coisas mais esotéricas do que tais explicações primárias estão escondidas nas virtualizações de Lévy, que aparecem na roda, por exemplo: as virtualizações criam “conceitos” que, normalmente, podem ser concretizados novamente. O conceito de roda, virtual do movimento (real ou virtual?) pode ser construído de tantas formas quantas o usuário queira. Imagine só as rodas que você conhece.

E há muitos outros virtuais, dos quais um muito, muito antigo é o dinheiro, a virtualização do poder de aquisição ou troca de valores. Ao invés de andar com 10 vacas pelo país afora, para trocar por passagens aéreas, hospedagem ou viagens de táxi, o fazendeiro usa cartões de crédito e pedaços de papel que representam seu poder aquisitivo, através de contratos sociais, no caso do dinheiro, e privados, para o cartão.

A década passada cuidou de associar o “virtual”, na maioria das vezes de forma muito pouco coerente, a quase tudo o que já conhecíamos antes: mercado, reuniões, espaços, realidade, modelos, empresas e, como sabemos, faturamento e até clientes virtuais. Mas esta noção de “virtual” não resiste a uma crítica mais profunda, posto que o virtual não é oposto ao real; o virtual é real, também, e oposto, isso sim, ao concreto.

Virtual, na acepção de Lévy, é o mesmo que abstrato; o contrário do real é o irreal. Associando a pergunta do primeiro parágrafo ao título, teríamos, portanto… “a escola (real, ali da esquina) é a implementação concreta que corresponde à virtualização do processo (pessoal, familiar, grupal, social) de aprendizado? E, neste contexto,  o que mais pode ser virtualizado através das tecnologias de informação e comunicação e quais são as concretizações correspondentes?”

A primeira parte da pergunta leva, certamente, a inúmeras teorias, maiores e menores, para o aprendizado e sua virtualização (a educação), desde a decoreba mais básica (com suas recompensas e castigos pavlovianos), até o holístico, possível realização de um ideal de ensino do todo, antes ou concomitante com as partes. Este é o território das ciências cognitivas, onde muito há de se fazer antes que se possa passar um atestado de competência para a educação mundial, em qualquer nível, em qualquer área ou país.

A segunda parte está sendo respondida, e antes de termos respostas para a primeira, pela tecnologia. Ora, a tecnologia é o domínio das possibilidades, se preocupa muito mais em criar oportunidades e estabelecer paradigmas do que em explicar o mundo e refletir sobre ele e as coisas que nele existem. Um resultado deste processo é que, na educação como em outros cenários da atividade humana, são os especialistas em tecnologias da informação e comunicação que andam a decidir que infra-estrutura, serviços, aplicações e, mais grave, o conteúdo e contexto em que a tecnologia interfere na educação.

Até aqui, nada demais, pois o mesmo vem acontecendo nas empresas, no mundo todo, com poucos sinais alvissareiros de mudança na última década. Hardware é comprado porque foi lançado, software é trocado porque a versão mais nova tem mais 153 funcionalidades inúteis e 571 novos bugs, sistemas que pouco contribuem para adicionar valor ao negócio são comprados ou desenvolvidos sem que se saiba, em muitos casos, porque e para que… em suma, as possibilidades criadas pela tecnologia geram uma falsa expectativa, muitas vezes, que o último grito dos laboratórios é o progresso. O que me faz lembrar, vez por outra, do aumento do número de asas dos aviões, no começo do século passado, como um sinal de modernidade. Assim fosse, um ERJ-145 teria umas duzentas asas…

As empresas, no mundo inteiro, estão tomando providências para que seus executivos de tecnologia de informação entendam pelo menos tanto do negócio e contexto da empresa quanto tentam fazer com que seus executivos e operadores dos negócios, propriamente ditos, da corporação, entendam das possibilidades oferecidas pelas tecnologias da informação e comunicação. Só assim criam situações onde os múltiplos lados da operação sabem o que, por que, para que e para quem estão fazendo. Na educação não poderia ser diferente. Mas é, está sendo, de fato, muito diferente.

Dados coletados nos EUA mostram que, ano que vem, todas as escolas públicas e quase todas as salas de aulas, nestas instituições, estarão na rede, com menos de 10 alunos por computador, em média. Isso a um custo anual de pouco mais de duzentos reais por aluno por ano. Ótimo. Só que o investimento em habilitação docente para enfrentar os desafios das novas tecnologias estão em cerca de 20 reais por aluno por ano, contra o sugerido pelo Departamento (Ministério) de Educação de lá, cerca de 60 reais por ano. Como resultado, apenas 10% dos professores se acham muito bem preparados para usar as tecnologias na sala de aula.

É claro que o problema em pauta é mais uma instância do ovo-galinha; sem computadores, não adianta habilitar os mestres. Mas o processo, sem treinar os professores, poderá ter sua eficiência muito comprometida e até mesmo ser inviabilizado. Instalar computadores em sala de aula e laboratórios para usar processadores de texto, software de apresentações e mandar mensagens, além de navegar na rede, é um avanço gigantesco. Mas é apenas alfabetização, e muito elementar.

Para que se criem novas virtualizações no ambiente educacional, capazes mudar, efetivamente, seus conceitos, capacidade e conexões, modernizando-o e tornando-o de classe mundial, par e passo com as demandas do mundo que nos cerca, é preciso fazer muito mais do que instalar máquinas, rede e software. É preciso criar cultura. Nem antes, nem depois. Ao mesmo tempo. Este não é o problema aqui, é o problema em todo lugar. Mas bem que nós poderíamos dar o exemplo, tentando resolver o todo e não a parte mais fácil.

*.*.*.*

Este texto foi atualizado em 25/06/2024, apenas para introduzir uma referência aberta e recente para o livro de Lévy.

Outros posts

EFEITOS de REDE

Este post é um índice de leitura dos textos da série “Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais”, com a co-autoria de André Neves. O texto

O Risco dos Manifestos

Um manifesto é sempre algo [muito] arriscado. Porque um manifesto expressa uma insatisfação com a realidade estabelecida, imediata, ao nosso redor. Um manifesto  não é

IA, no blog: Sugestões de Leitura

Se você está procurando textos sobre IA por aqui… Comece pela série E AÍ… IA: o primeiro texto, Introdução, está no link… tinyurl.com/2zndpt3r; o segundo,

E AÍ… IA [III]

Mas IA, de onde vem, pra onde vai?…   No futuro, há três tipos de inteligência: individual, social e artificial. E as três já são

E AÍ… IA [II]

Trabalho, Emprego e IA   Há uma transformação profunda do trabalho e da produção, como parte da transformação figital dos mercados, da economia e da

EFEITOS DE REDE E ECOSSISTEMAS FIGITAIS [XV]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

E AÍ, IA… [I]

IA fará com que todos sejam iguais em sua capacidade de serem desiguais. É o maior paradoxo desde que Yogi Berra disse… ‘Ninguém mais vai

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [XII]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [xi]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [x]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [ix]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [vi]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [v]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [iv]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

chatGPT: cria ou destrói trabalho?

O potencial de relevância e impacto inovador de transformadores [veja A Grande Transformação dos Transformadores, em bit.ly/3iou4aO e ChatGPT is everywhere. Here’s where it came

A Grande Transformação dos Transformadores

Um transformador, na lembrança popular, era [ainda é] a série de filmes [Transformers, bit.ly/3Qp97cu] onde objetos inanimados, inconscientes e -só por acaso- alienígenas, que existiam

Começou o Governo. Cadê a Estratégia?

Estamos em 02/01/2023. Ontem foram as posses e os discursos. Hoje começam a trabalhar um novo Presidente da República, dezenas de ministros e ainda serão

23 anotações sobre 2023 [xxiii]

Este é o 23° de uma série de textos sobre o que pode acontecer, ou se tornar digno de nota, nos próximos meses e poucos

23 anotações sobre 2023 [xxii]

Este é o 22° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xxi]

Este é o 21° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xx]

Este é o 20° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xix]

Este é o 19° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xviii]

Este é o 18° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xvii]

Este é o 17° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xvi]

Este é o 16° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xv]

Este é o 15° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xiv]

Este é o décimo quarto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xiii]

Este é o décimo terceiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xii]

Este é o décimo segundo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xi]

Este é o décimo primeiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [x]

Este é o décimo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [ix]

Este é o nono de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [viii]

Este é o oitavo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [vii]

Este é o sétimo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [vi]

Este é o sexto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [v]

Este é o quinto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [iv]

Este é o quarto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [iii]

Este é o terceiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [ii]

Este é o segundo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [i]

Esta é uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar digno de nota,

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [ii]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [i]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

O Metaverso, Discado [4]

Este é o quarto post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor começar lendo o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g], que tem um link pro

O Metaverso, Discado [3]

Este é o terceiro post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor começar lendo o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g], que tem um link pro

O Metaverso, Discado [2]

Este é o segundo post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor ler o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g] antes de começar a ler este aqui. Se puder, vá lá, e volte aqui.

O Metaverso, Discado [1]

O metaverso vai começar “discado”. E isso é bom. Porque significa que vai ser criado e acontecer paulatinamente. Não vai rolar um big bang vindo

chega de reuniões

um ESTUDO de 20 empresas dos setores automotivo, metalúrgico, elétrico, químico e embalagens mostra que comportamentos disfuncionais em REUNIÕES [como fugir do tema, reclamar, criticar…

Definindo “o” Metaverso

Imagine o FUTEBOL no METAVERSO: dois times, A e B, jogam nos SEUS estádios, com SUAS bolas e SUAS torcidas. As BOLAS, cada uma num

Rupturas, atuais e futuras,
no Ensino Superior

Comparando as faculdades com outras organizações na sociedade,percebe-se que sua peculiaridade mais notável não é seu produto,mas a extensão em que são operadas por amadores.

O que é Estratégia?

A primeira edição do Tractatus Logico-Philosophicus [TLP] foi publicada há exatos 100 anos, no Annalen der Naturphilosophie, Leipzig, em 1921. Foi o único livro de

O Brasil Tem Futuro?

Uma das fases mais perigosas e certamente mais danosas para analisar e|ou entender o nosso país é a de que “O Brasil é o país

Os Velhos Envelopes, Digitais

Acho que o último envelope que eu recebi e não era um boleto data da década de 1990, salvo uma ou outra exceção, de alguém

Houston, nós temos um problema…

Este texto é uma transcrição editada de uma intervenção no debate “De 1822 a 2022 passando por 1922 e imaginando 2122: o salto [?] da

Pessoas, Games, Gamers, Cavalos…

Cartas de Pokémon voltaram à moda na pandemia e os preços foram para a estratosfera. Uma Charizard holográfica, da primeira edição, vale dezenas de milhares

As Redes e os Currais Algorítmicos

Estudos ainda limitados[1] sobre política e sociedade mostram que a cisão entre centro [ou equilíbrio] e anarquia [ou caos] é tão relevante quanto a divisão

O Trabalho, em Transição

Trabalho e emprego globais estão sob grande impacto da pandemia e da transformação digital da economia, em que a primeira é o contexto indesejado que

O ano do Carnaval que não houve

Dois mil e vinte e um será, para sempre, o ano do Carnaval que não houve. Quem sentirá na alma são os brincantes para quem

Rede, Agentes Intermediários e Democracia

Imagine um provedor de infraestrutura e serviços de informação tomando a decisão de não trabalhar para “um cliente incapaz de identificar e remover conteúdo que

21 anotações sobre 2021

1 pode até aparecer, no seu calendário, que o ano que vem é 2021. mas não: é 2025. a aceleração causada por covid19, segundo múltiplas

A Humanidade, em Rede

Redes. Pessoas, do mundo inteiro, colaborando. Dados, de milhares de laboratórios, hospitais, centros de pesquisa e sistemas de saúde, online, abertos, analisados por sistemas escritos

tecnologia e[m] crises

tecnologia, no discurso e entendimento contemporâneo, é o mesmo que tecnologias da informação e comunicação, TICs. não deveria ser, até porque uma ponte de concreto

o que aconteceu
no TSE ontem?

PELA PRIMEIRA VEZ em muitos anos, o BRASIL teve a impressão de que alguma coisa poderia estar errada no seu processo eleitoral, e isso aconteceu

CRIAR um TEMPO
para o FUTURO

em tempos de troca de era, há uma clara percepção de que o tempo se torna mais escasso. porque além de tudo o que fazíamos

Duas Tendências Irreversíveis, Agora

O futuro não acontece de repente, todo de uma vez. O futuro é criado, paulatinamente, por sinais vindos de lá mesmo, do futuro, por caminhos

futuro: negócios e
pessoas, figitais

em tempos de grandes crises, o futuro, às vezes mais do que o presente, é o centro das preocupações das pessoas, famílias, grupos, empresas e

bom senso & saber

uma pergunta que já deve ter passado pela cabeça de muita gente é… o que é o bom senso, e como é que a gente

uma TESE são “só” 5 coisas…

…e uma dissertação e um trabalho de conclusão de curso, também. este post nasceu de um thread no meu twitter, sumarizando perguntas que, durante a

os novos NORMAIS serão FIGITAIS

há muitas empresas achando que… “agora que COVID19 está passando, bora esquecer essa coisa de DIGITAL e trazer os clientes de volta pras lojas”… enquanto

Novas Formas de Pensar em Tempos Incertos

O HOMO SAPIENS anatomicamente moderno tem ceca de 200.000 anos. Há provas de que tínhamos amplo controle do fogo -talvez “a” tecnologia fundadora da humanidade-

Efeitos não biológicos de COVID19

A PARTIR do que já sabemos, quais os impactos e efeitos de médio e longo prazo da pandemia?… O que dizem as pesquisas, não sobre

APRENDER EM VELOCIDADE DE CRISE

TODOS OS NEGÓCIOS estiveram sob gigantesca pressão para fazer DUAS COISAS nas últimas semanas, quando cinco décadas de um processo de transformação digital que vinha,

UM ANTIVÍRUS para a HUMANIDADE

SARS-COV-2 é só um dos milhares de coronavírus que a ciência estima existir, ínfima parte dos 1,7 milhões de vírus desconhecidos que os modelos matemáticos

Mundo Injusto, Algoritmos Justos?

Se um sistema afeta a vida das pessoas, exige-se que seu comportamento seja justo. Pelo menos no que costumamos chamar de civilização. Ser justo é

Das nuvens, também chovem dados

Há uns meses, falamos de Três Leis da Era Digital, inspiradas nos princípios de Asimov para a Robótica. As Leis eram… 1ª: Deve-se proteger os

As Três Leis da Era Digital

Há setenta e oito anos, Isaac Asimov publicava a primeira versão do que todos conhecem como as Três Leis da Robótica[1]. A Primeira diz que

Silvio Meira é cientista-chefe da TDS.company, professor extraordinário da CESAR.school e presidente do conselho do PortoDigital.org

contato@tds.company

Rua da Guia, 217, Porto Digital Recife.

tds.company
somos um negócio de levar negócios para o futuro, nosso objetivo é apoiar a transformação de negócios nascentes e legados nas jornadas de transição entre o presente analógico e o futuro digital.

strateegia
é uma plataforma colaborativa de estratégia digital para adaptação, evolução e transformação de negócios analógicos em plataformas e ecossistemas digitais, desenvolvido ao longo de mais de uma década de experiência no mercado e muitas na academia.