SILVIO MEIRA

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [v]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto em bit.ly/3J51vZc, o sexto em… bit.ly/3Jkd8vC, o sétimo em… bit.ly/3JTlBHM e o oitavo em… bit.ly/42z6sT1], sobre Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais, com a co-autoria de André Neves. Esse texto é o rascunho de um documento que será publicado como um ebook pela TDS.company.

Os poderes das redes.
Programadores, conectores e seus efeitos.

Separando duas noções companheiras de sempre, poder é influência em potencial e autoridade é o poder temporário associado a um papel específico numa instituição ou organização. Redes sociais digitais, ao transformar as relações espaciais em conexões abstratas que possibilitam redefinir o poder em termos de fluxos de ação e informação que  passam a existir nas redes, redesenham as arquiteturas de relacionamentos e as interações econômicas e sociais.

Dois tipos de mecanismos habilitam a mobilização e eventual controle de uns por outros em redes: a capacidade de programar os objetivos e protocolos das redes e outra, a de conectar e garantir a colaboração em e entre redes, associando recursos, enquanto eventualmente se isola terceiros. Daí vêm os poderes das redes[1]: o de formar redes, privilégio de atores e organizações que definem as bases sobre as quais as redes são formadas; o poder da rede, dos padrões requeridos para inclusão e pertencimento nas redes sociais; o poder em rede, de uns sobre outros agentes numa rede, e a poder de criar redes, aquela dos agentes que criam, definem implementam e regulam as regras que todos os outros são obrigados a usar para participar de uma rede e do mercado como um todo.

O primeiro poder é o networking power, que se refere ao poder dos atores e organizações que estão inseridos nas redes que constituem o cerne da sociedade em rede. Esse tipo de poder está originalmente associado ao conceito de redes sociais[2] [muito anterior ao de redes sociais online], que são definidas como as relações entre indivíduos e grupos que se formam por meio de interações sociais. Estas redes tendem a ser exclusivas e se caracterizam por elevados níveis de coordenação e colaboração entre membros. Como resultado, quem não está nessas redes fica em desvantagem, pois seu acesso aos recursos e oportunidades que fluem nas redes é restrito.

Para entender networking power, considere este exemplo do mercado de trabalho: muitas vagas de emprego [segundo especialistas, 80%][3] nunca são anunciadas publicamente e são preenchidas por meio de redes pessoais e referências. Resultado? Quem não faz parte das redes onde a informação sobre vagas circula pode estar em desvantagem na procura de emprego, dado que não tem acesso às mesmas oportunidades dos que fazem parte das mesmas redes.

No caso das plataformas digitais-sociais, as empresas que estabelecem fortes conexões e parcerias com outras criam vantagens competitivas em relação aos players menores. Grandes negócios de tecnologia como Google e Facebook têm redes estabelecidas de anunciantes e parceiros que lhes dão uma posição dominante no mercado de publicidade, que por sinal querem manter como “de” publicidade e não de conexões, relacionamentos e interações. Empresas menores têm dificuldade em competir com as grandes, pois não têm acesso às mesmas redes e parcerias.

Uma lei destas redes é que o valor de pertencer a elas aumenta exponencialmente com o tamanho da rede e a desvalorização causada à exclusão das redes também aumenta exponencialmente e em ritmo mais rápido do que o aumento do valor de estar nas redes. As consequências são enormes.

O segundo é network power, associado aos padrões exigidos para criar e coordenar as conexões, relacionamentos e interações nas redes. Nesse caso, se exerce poder não pela exclusão das redes, mas pela imposição das regras de inclusão. As plataformas digitais geralmente estabelecem padrões e protocolos que regem o comportamento e a interação de usuários e parceiros e tais regras podem ser usadas para promover certos tipos de comportamento e excluir outros, moldando os efeitos de rede que surgem na plataforma.

A imposição de regras de inclusão é comum em redes sociais, que têm diretrizes claras para reger o comportamento e tipo de conteúdo que pode ser compartilhado. Essas diretrizes servem como um meio para a plataforma promover comportamentos específicos e excluir outros. Nos marketplaces, há padrões a serem seguidos por buyers e sellers, com imposição de regras para reger as conexões, relacionamentos, interações e transações entre eles, promovendo certas condutas e excluindo os que não cumprem as diretivas. Por exemplo, políticas de proteção ao comprador dão a garantia de receber um produto em boas condições, o que promover a confiança do comprador na plataforma e exclui vendedores que não cumprem as condições estabelecidas.

Um aspecto importante do network power é que plataformas podem mudar as regras de inclusão e exclusão a qualquer hora, o que lhes dá o poder de moldar qualquer efeito de rede de acordo com seus objetivos estratégicos. Por exemplo, Airbnb mudou as políticas de cancelamento de reservas para beneficiar os anfitriões, aumentando a confiança dos mesmos e incentivando-os a continuar a usar a plataforma. Essa mudança nas políticas pode ser vista como uma forma de exercer network power, já que moldou a dinâmica da rede de acordo com os interesses da empresa.

Por fim, network power é essencial para entender as relações de poder nas plataformas digitais; seu poder de criar e coordenar conexões e relacionamentos entre usuários e parceiros e, por meio da imposição de regras de inclusão, moldar efeitos de rede que surgem na plataforma, promovendo comportamentos específicos e excluindo outros, de acordo com os objetivos da plataforma, o que estabelece a dinâmica própria das plataformas digitais e o impacto que elas têm na sociedade.

O terceiro é networked power, que se refere ao poder de uns atores sociais sobre outros, na rede. Nas plataformas, tal poder se manifesta de várias formas, seja através da influência de certos tipos de usuários, influenciadores ou algoritmos que determinam que conteúdo é exibido, e quando, aos usuários. Esse poder também pode ser usado -e é- para promover ou suprimir certos pontos de vista, moldando o discurso na plataforma.

Influenciadores são agentes que, ao compartilhar conteúdo que ressoa com certos tiposd e público, criaram comunidades nas plataformas. Ao combinar público e credibilidade, são capazes de moldar opiniões e promover mudanças de comportamento. Influenciadores surgiram como atores-chave no marketing, onde trabalham em colaboração com marcas para promover produtos e serviços a seus seguidores.

Algoritmos usam funções matemáticas que classificam e filtram conteúdo em plataformas digitais, para personalizar a experiência de uso, mostrando aos usuários conteúdos com maior probabilidade de envolvê-los. No contexto do poder em rede, os algoritmos podem ser usados para amplificar as vozes de atores influentes enquanto suprimem vozes dissidentes. Por exemplo, algoritmos de redes podem ser usados para promover conteúdo alinhado a valores e interesses de atores dominantes, ao mesmo tempo em que suprimem conteúdo que desafie o status quo. É assim que se formam as câmaras de eco, onde usuários são expostos apenas a conteúdos que reforçam conjuntos de crenças e preconceitos pré-existentes.

Além de moldar comportamentos, algoritmos também podem determinar a distribuição de poder numa rede. Ao determinar qual conteúdo é mostrado aos usuários, os algoritmos têm o poder de elevar as vozes de atores influentes enquanto suprimem as vozes de atores menos influentes. Isso pode ter implicações significativas para a distribuição de poder e influência dentro de uma rede.

No contexto do poder em rede, tanto influenciadores quanto os algoritmos podem ser usados para amplificar as vozes dos atores dominantes enquanto suprimem vozes dissidentes. Ao compreender o papel de influenciadores e algoritmos na formação do fluxo de informações dentro de uma rede, é possível criar estratégias para alavancar tais forças para acelerar mudanças de comportamento e|ou redirecionar e criar fluxos que definem fluxos, influência e poderes das redes.

Finalmente, network-making power é a capacidade de projetar, programar e manipular redes de acordo com interesses e valores dos programadores, exercido por quem tem conhecimento técnico e recursos para criar e controlar a arquitetura da rede. O poder de criação de redes está relacionado às outras três formas de poder nas redes, pois pode influenciar as regras de inclusão, coordenação da interação social e o poder dos atores sociais sobre outros atores na rede.

O poder de criar redes é visto em plataformas onde programadores definem arquitetura, regras e algoritmos, controlam design e funcionalidades, moldam a experiência do usuário e influenciam os tipos de efeitos de rede que surgem -ou não- na plataforma. O poder de criar de redes, aí, é usado para garantir que as plataformas beneficiem seus interesses e valores. Um exemplo é o algoritmo de busca de Google que, ao ser modificado pela empresa, impactaa a classificação dos resultados de busca, promovendo ou rebaixando sites, afetando potencialmente sua visibilidade, tráfego e receita.

Outros exemplos são algoritmos que definem as regras em redes sociais como Twitter, afetando a inclusão, coordenação das interações e influenciando poder de uns sobre outros atores sociais. Tal poder é usado para promover ou suprimir certos conteúdos, influenciando até a opinião pública e resultados de interesse político. E o poder de criar redes não se limita às plataformas digitais-sociais: se aplica a redes físicas, como comércio e indústria. Uma empresa que tem uma posição dominante numa rede de suprimentos pode usar seu poder de criação para ditar os termos de troca e exercer influência sobre outros atores da mesma cadeia de valor… o que estamos cansados de ver em todos os mercados.

Esse é o resumo dos poderes das redes. Como eles definem quase toda a sociedade e economia da atualidade, é claro que enciclopédias inteiras são necessárias para dar conta de sua influência no nosso mundo. Mas não temos nem a competência, nem o tempo pra tal esforço aqui. Fica assim. Mas podemos dizer mais duas ou três coisas.

É comum ouvir que a maioria ou todas as redes -em especial digitais, formadas com e para pessoas- são livres de escala e descritas pela mesma teoria. Nelas, a regra geral seria um winner takes all -o volume de nós com muitas conexões seria uma pequena fração do total de nós. Mas o mundo real é mais complexo –ainda bem, e as redes também. As redes sem escala não são universais e podem ser raras, segundo Broido e Clauset[4]. Uma análise recente de 185 redes[5] aponta para 27% fortemente livres de escala, 23% fracamente livres e para 50% fora da classificação “sem escala”.

A consequência é preciosa: como nem toda rede é sem escala, não é naturalmente o caso que um ou poucos ganhadores levem tudo nos mercados em rede; a dinâmica das redes sobre plataformas figitais não é tão simples e tampouco vive em equilíbrio permanente[6]. Quando acontece, muitas vezes, quase sempre, é porque a rede do poder fez tal desenho e a sociedade aceitou[7], como vimos no faroeste digital em alguns países, em particular nos EUA. Depois do fait accompli é muito difícil lidar com os poderes das redes, que a essa altura extrapolaram as redes digitais de origem e criaram o poder de manipular qualquer poder.

Aliás, o esforço legislativo para regular e limitar o poder de grandes empresas de tecnologia dos EUA corre o risco de fracassar, detonado por um esforço de lobby que já gastou mais de meio bilhão de reais só em 2021 e 2022[8]. O problema central de certas redes do poder é um fundamentalismo de mercado acima de tudo, inclusive e principalmente dos direitos individuais e do bem comum[9].

Isso cria uma demanda simples e objetiva: nosso entendimento dos poderes das redes tem que ser aprofundado e usado, diuturnamente, para tentar impor que os poderes das redes sejam exercidos, sempre, a favor dos indivíduos e seus direitos, da cidadania e dos mercados abertos e competitivos, sem o que continuaremos vendo e vivendo imprensados por empresas que valem trilhões e definem o que é não só o espaço social mas a esfera pública[10]. E esse não pode continuar a ser o caso; se for, é sinal de que nossos problemas, inclusive para a democracia, vão aumentar muito com o tempo.


[1] Castells, M., “A network theory of power.” Int J of Comm, 2011, bit.ly/3xHKlLd.

[2] Durkheim + Tönnies, 1890s: a ideia de redes sociais vem de suas teorias e sobre grupos sociais: bit.ly/3JeRGsX.

[3] “The hidden job market”, CNNMoney.com, 2009, cnn.it/3mm198R.

[4] Broido, A. D., A. Clauset. “Scale-free networks are rare.” Nat Comm, 2019, go.nature.com/3E4Risg.

[5] Serafino, M. et al., “True scale-free networks hidden by finite size effects”, PNAS, 2020, bit.ly/3C4PxNy.

[6] Evans, D., R. Schmalensee, “Winner-Takes-All Doesn’t Apply to the Platform…”, HBR, 2016, bit.ly/3bZXtoq.

[7] Cennamo, C., “Value Preserving Platform Regulation”, SSRN, 2020, em bit.ly/3w4YQZV.

[8] “Big Tech’s $95 Million Spending Spree Leaves Antitrust Bill on Brink of Defeat”. Bloomberg, 2022, bloom.bg/3TMCK8J.

[9] Moss, E., J. Metcalf. “The Ethical Dilemma at the Heart of Big Tech Companies”. HBR, 2019, bit.ly/3RxzIDN.

[10] Meira, S., “Narrativas, Distopias, Extremismo: Soluções?”, silvio.meira.com, 2023, https://bit.ly/3Dsx2lP.

Outros posts

E AÍ… IA [II]

Trabalho, Emprego e IA   Há uma transformação profunda do trabalho e da produção, como parte da transformação figital dos mercados, da economia e da

EFEITOS DE REDE E ECOSSISTEMAS FIGITAIS [XV]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

E AÍ, IA… [I]

IA fará com que todos sejam iguais em sua capacidade de serem desiguais. É o maior paradoxo desde que Yogi Berra disse… ‘Ninguém mais vai

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [XII]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [xi]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [x]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [ix]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [vi]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [v]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [iv]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

chatGPT: cria ou destrói trabalho?

O potencial de relevância e impacto inovador de transformadores [veja A Grande Transformação dos Transformadores, em bit.ly/3iou4aO e ChatGPT is everywhere. Here’s where it came

A Grande Transformação dos Transformadores

Um transformador, na lembrança popular, era [ainda é] a série de filmes [Transformers, bit.ly/3Qp97cu] onde objetos inanimados, inconscientes e -só por acaso- alienígenas, que existiam

Começou o Governo. Cadê a Estratégia?

Estamos em 02/01/2023. Ontem foram as posses e os discursos. Hoje começam a trabalhar um novo Presidente da República, dezenas de ministros e ainda serão

23 anotações sobre 2023 [xxiii]

Este é o 23° de uma série de textos sobre o que pode acontecer, ou se tornar digno de nota, nos próximos meses e poucos

23 anotações sobre 2023 [xxii]

Este é o 22° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xxi]

Este é o 21° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xx]

Este é o 20° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xix]

Este é o 19° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xviii]

Este é o 18° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xvii]

Este é o 17° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xvi]

Este é o 16° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xv]

Este é o 15° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xiv]

Este é o décimo quarto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xiii]

Este é o décimo terceiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xii]

Este é o décimo segundo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xi]

Este é o décimo primeiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [x]

Este é o décimo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [ix]

Este é o nono de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [viii]

Este é o oitavo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [vii]

Este é o sétimo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [vi]

Este é o sexto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [v]

Este é o quinto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [iv]

Este é o quarto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [iii]

Este é o terceiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [ii]

Este é o segundo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [i]

Esta é uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar digno de nota,

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [ii]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [i]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

O Metaverso, Discado [4]

Este é o quarto post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor começar lendo o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g], que tem um link pro

O Metaverso, Discado [3]

Este é o terceiro post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor começar lendo o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g], que tem um link pro

O Metaverso, Discado [2]

Este é o segundo post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor ler o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g] antes de começar a ler este aqui. Se puder, vá lá, e volte aqui.

O Metaverso, Discado [1]

O metaverso vai começar “discado”. E isso é bom. Porque significa que vai ser criado e acontecer paulatinamente. Não vai rolar um big bang vindo

chega de reuniões

um ESTUDO de 20 empresas dos setores automotivo, metalúrgico, elétrico, químico e embalagens mostra que comportamentos disfuncionais em REUNIÕES [como fugir do tema, reclamar, criticar…

Definindo “o” Metaverso

Imagine o FUTEBOL no METAVERSO: dois times, A e B, jogam nos SEUS estádios, com SUAS bolas e SUAS torcidas. As BOLAS, cada uma num

Rupturas, atuais e futuras,
no Ensino Superior

Comparando as faculdades com outras organizações na sociedade,percebe-se que sua peculiaridade mais notável não é seu produto,mas a extensão em que são operadas por amadores.

O que é Estratégia?

A primeira edição do Tractatus Logico-Philosophicus [TLP] foi publicada há exatos 100 anos, no Annalen der Naturphilosophie, Leipzig, em 1921. Foi o único livro de

O Brasil Tem Futuro?

Uma das fases mais perigosas e certamente mais danosas para analisar e|ou entender o nosso país é a de que “O Brasil é o país

Os Velhos Envelopes, Digitais

Acho que o último envelope que eu recebi e não era um boleto data da década de 1990, salvo uma ou outra exceção, de alguém

Houston, nós temos um problema…

Este texto é uma transcrição editada de uma intervenção no debate “De 1822 a 2022 passando por 1922 e imaginando 2122: o salto [?] da

Pessoas, Games, Gamers, Cavalos…

Cartas de Pokémon voltaram à moda na pandemia e os preços foram para a estratosfera. Uma Charizard holográfica, da primeira edição, vale dezenas de milhares

As Redes e os Currais Algorítmicos

Estudos ainda limitados[1] sobre política e sociedade mostram que a cisão entre centro [ou equilíbrio] e anarquia [ou caos] é tão relevante quanto a divisão

O Trabalho, em Transição

Trabalho e emprego globais estão sob grande impacto da pandemia e da transformação digital da economia, em que a primeira é o contexto indesejado que

O ano do Carnaval que não houve

Dois mil e vinte e um será, para sempre, o ano do Carnaval que não houve. Quem sentirá na alma são os brincantes para quem

Rede, Agentes Intermediários e Democracia

Imagine um provedor de infraestrutura e serviços de informação tomando a decisão de não trabalhar para “um cliente incapaz de identificar e remover conteúdo que

21 anotações sobre 2021

1 pode até aparecer, no seu calendário, que o ano que vem é 2021. mas não: é 2025. a aceleração causada por covid19, segundo múltiplas

A Humanidade, em Rede

Redes. Pessoas, do mundo inteiro, colaborando. Dados, de milhares de laboratórios, hospitais, centros de pesquisa e sistemas de saúde, online, abertos, analisados por sistemas escritos

tecnologia e[m] crises

tecnologia, no discurso e entendimento contemporâneo, é o mesmo que tecnologias da informação e comunicação, TICs. não deveria ser, até porque uma ponte de concreto

o que aconteceu
no TSE ontem?

PELA PRIMEIRA VEZ em muitos anos, o BRASIL teve a impressão de que alguma coisa poderia estar errada no seu processo eleitoral, e isso aconteceu

CRIAR um TEMPO
para o FUTURO

em tempos de troca de era, há uma clara percepção de que o tempo se torna mais escasso. porque além de tudo o que fazíamos

Duas Tendências Irreversíveis, Agora

O futuro não acontece de repente, todo de uma vez. O futuro é criado, paulatinamente, por sinais vindos de lá mesmo, do futuro, por caminhos

futuro: negócios e
pessoas, figitais

em tempos de grandes crises, o futuro, às vezes mais do que o presente, é o centro das preocupações das pessoas, famílias, grupos, empresas e

bom senso & saber

uma pergunta que já deve ter passado pela cabeça de muita gente é… o que é o bom senso, e como é que a gente

uma TESE são “só” 5 coisas…

…e uma dissertação e um trabalho de conclusão de curso, também. este post nasceu de um thread no meu twitter, sumarizando perguntas que, durante a

os novos NORMAIS serão FIGITAIS

há muitas empresas achando que… “agora que COVID19 está passando, bora esquecer essa coisa de DIGITAL e trazer os clientes de volta pras lojas”… enquanto

Novas Formas de Pensar em Tempos Incertos

O HOMO SAPIENS anatomicamente moderno tem ceca de 200.000 anos. Há provas de que tínhamos amplo controle do fogo -talvez “a” tecnologia fundadora da humanidade-

Efeitos não biológicos de COVID19

A PARTIR do que já sabemos, quais os impactos e efeitos de médio e longo prazo da pandemia?… O que dizem as pesquisas, não sobre

APRENDER EM VELOCIDADE DE CRISE

TODOS OS NEGÓCIOS estiveram sob gigantesca pressão para fazer DUAS COISAS nas últimas semanas, quando cinco décadas de um processo de transformação digital que vinha,

UM ANTIVÍRUS para a HUMANIDADE

SARS-COV-2 é só um dos milhares de coronavírus que a ciência estima existir, ínfima parte dos 1,7 milhões de vírus desconhecidos que os modelos matemáticos

Mundo Injusto, Algoritmos Justos?

Se um sistema afeta a vida das pessoas, exige-se que seu comportamento seja justo. Pelo menos no que costumamos chamar de civilização. Ser justo é

Das nuvens, também chovem dados

Há uns meses, falamos de Três Leis da Era Digital, inspiradas nos princípios de Asimov para a Robótica. As Leis eram… 1ª: Deve-se proteger os

As Três Leis da Era Digital

Há setenta e oito anos, Isaac Asimov publicava a primeira versão do que todos conhecem como as Três Leis da Robótica[1]. A Primeira diz que

o apocalipse digital…

…segundo silvio meira, capítulo 55, versículo 2019, parágrafos 1 a 8. escrito em plena sexta-feira 13, num dos grupos de inovação [corporativa] mais animados e

por uma educação
“sem” distância

Uma versão editada do texto abaixo foi publicada no ESTADÃO em 28/08/2019, quando ninguém tinha a menor ideia de que toda a educação do país

uma classe para o brasil

este texto tem origem numa discussão [em grupos de zap, que depois se tornaram mesas de bar…] sobre o protagonismo do brasil em um particular cenário

Silvio Meira é cientista-chefe da TDS.company, professor extraordinário da CESAR.school e presidente do conselho do PortoDigital.org

contato@tds.company

Rua da Guia, 217, Porto Digital Recife.

tds.company
somos um negócio de levar negócios para o futuro, nosso objetivo é apoiar a transformação de negócios nascentes e legados nas jornadas de transição entre o presente analógico e o futuro digital.

strateegia
é uma plataforma colaborativa de estratégia digital para adaptação, evolução e transformação de negócios analógicos em plataformas e ecossistemas digitais, desenvolvido ao longo de mais de uma década de experiência no mercado e muitas na academia.