SILVIO MEIRA

E AÍ… IA [II]

Trabalho, Emprego e IA

 

Há uma transformação profunda do trabalho e da produção,
como parte da transformação figital dos mercados,
da economia e da sociedade como um todo.
Como Yogi Berra observou, ‘Quando você chegar
 a uma bifurcação na estrada, siga por ela’
.
É exatamente isso que estamos fazendo ao navegar pelas
mudanças causadas por TICs e IA no mundo do trabalho.

 

Inteligência Artificial em escala de penetração da internet -ou seja, centenas de milhões de usuários competentes entre bilhões de usuários totais e o planeta inteiro e todos os setores da economia e sociedade afetados– terá implicações profundas e de longo alcance para o futuro do trabalho. Profissões que envolvem tarefas repetitivas -mesmo que sofisticadas pelo nosso atual crivo de complexidade, como advogado ou cirurgião- ou que se baseiam fortemente em dados e sua análise -como estatísticos e contadores- estão particularmente em risco devido a aplicações de IA, o que já se começa a ver com sistemas generativos atuais, que são só o começo de uma grande onda, revolucionária, de e com IA.

Pra quem não é da área, uma metáfora para explicar o que está acontecendo agora poderia ser… se IA fosse uma novela da Globo, mesmo depois de seis décadas de evolução a partir das primeiras teorias e experimentos, nós estamos, agora, exatamente no começo do primeiro capítulo, os personagens ainda estão sendo apresentados e ninguém, nem mesmo o autor, sabe qual é a trama e seu meio e fim.

A literatura recente sobre o impacto de IA no trabalho é vasta e diversificada e o artigo Artificial intelligence and work: a critical review of recent research from the social sciences [tinyurl.com/2fjdfg2q] oferece uma revisão crítica que destaca a necessidade de uma visão abrangente e não especializada [somente em IA] para entender o impacto da IA no trabalho. O argumento é que, embora a pesquisa especializada possa fornecer insights valiosos sobre aspectos específicos de IA, é igualmente importante ter uma visão geral para entender como muitos aspectos [de mundos diversos] se conectam e se influenciam mutuamente.

No texto, aparece Max Weber…

“O fato de que o chamado desenvolvimento tecnológico dos tempos modernos tenha sido amplamente orientado economicamente para o lucro é um dos fatos fundamentais da história da tecnologia.”

Complementado por Shoshana Zuboff…

“Numa sociedade capitalista moderna, tecnologia foi, é e sempre será uma expressão dos objetivos econômicos que a direcionam à ação.”

Bem… chega de ilusões perdidas, diria Balzac. Não é a tecnologia que destrói ou cria trabalho e empregos, nem será IA que o fará, mas os objetivos econômicos de seu uso e a existência [ou não] de políticas e estratégias de Estado para habilitar, promover, balizar e regular as ações dos agentes de mercado.

Mas o fato é que estamos vivendo uma transformação profunda na organização do trabalho e da produção, como parte da transformação figital dos mercados, da economia e da sociedade como um todo [veja Fundações para os Futuros Figitais, bit.ly/futurosfigitais]. O emprego padrão – de tempo integral em uma empresa, com um contrato permanente, pagamento de remuneração adequada para sustentar uma família e provisão de benefícios – se formou apenas nas últimas décadas e não foi adotado como o modelo predominante na maior parte do mundo. Hoje, o arquétipo de ‘modelo padrão’ deu lugar a muitas outras formas de trabalho remunerado, como o temporário, de tempo parcial, subcontratação, uso de contratados independentes, autônomos dependentes ou independentes e trabalho casual.

A emergência de novos tipos de “empregos” em contextos habilitados por plataformas de trabalho online e|ou que comercializam ativos pessoais, como é o caso de mobilidade compartilhada, tende a corroer ainda mais o relacionamento de emprego tradicional e fragmentar o papel do empregador e do empregado. Onde as plataformas permitem o trabalho que antes seria realizado por um empregador em tempo integral para ser distribuído a trabalhadores sob demanda e onde certas tarefas podem ser automatizadas, a economia resultante dependerá cada vez mais de relações de emprego de curto prazo, efêmeras até.

Nas últimas décadas, a produção, comércio e investimentos internacionais se organizarem cada vez mais em redes globais de valor, onde as etapas da produção foram deslocalizadas, espalhando atividades como design, produção, marketing e distribuição e transferindo empregos para países de baixa e média renda. Um movimento reverso, habilitado por TICs, internet, plataformas, robotização e automação, está redesenhando tal arquitetura por meio de reshoring, onde empregos terceirizados são substituídos por alguma combinação destas tecnologias.

De Backer et al. [Reshoring: Myth or Reality?, tinyurl.com/2pt4764v]  argumentam que, em vez de levar a novos empregos, reshoring provavelmente resultará em investimentos em automação e robótica [e IA…] e possivelmente a um pequeno número de empregos adicionais altamente qualificados nos países de origem do trabalho [back-shoring] ou vizinhos [near-shoring] implicando, salvo ação de políticas públicas de grande porte e curto, médio e longo prazos, em perda de emprego global em larga escala.

Uma pesquisa recente da British Academy e Royal Society descobriu que quase dois terços do trabalho relacionado a atividades automatizáveis está na China, Índia, Japão e EUA [Data science, artificial intelligence and the futures of work, tinyurl.com/2guocpfg]. Há 3 anos, portanto algo como um milênio digital [e não mil dias…] antes de GPTs, um estudo de 46 milhões de empregos formais [Mapeamento da Automação no Brasil, tinyurl.com/2lyby6v3] já descrevia os efeitos da automação em todos os municípios brasileiros; lá, 60% do trabalho feito no Brasil tinha pelo menos 70% probabilidade de computerização nas próximas décadas.

Pra ter uma ideia, das 10 ocupações com mais empregos formais no país, metade tinha probabilidade de automação maior que 90%; só estas 5 respondem por 7,8M de vagas [ou 17% dos empregos formais]. Operador de caixa [823k empregos] tinha 97% de probabilidade de computerização e as várias ocupações de operador de telemarketing [que somam mais de 670k empregos], tinham 99% de probabilidade de automação.

De lá pra cá, só aumentou a velocidade e complexidade das mudanças na natureza e criação de empregos, tarefas e atribuições e na organização em constante mudança do trabalho e da produção. Os impactos da mudança na natureza do trabalho na sociedade e a governança dessas mudanças por meio de políticas e instituições deveria ser um problema estratégico crítico sendo tratado em todos os países, mas não é.

Aí, entram GPTs.  Um estudo de OpenAI [GPTs are GPTs, tinyurl.com/2l4l7njb], publicado há três meses, sobre as potenciais implicações de GPTs e tecnologias relacionadas no mercado de trabalho dos EUA, indica que aproximadamente 80% da força de trabalho do país poderia ter pelo menos 10% de suas tarefas de trabalho afetadas pela introdução de GPTs, enquanto cerca de 19% dos trabalhadores podem ver pelo menos 50% de suas tarefas impactadas.

A análise de OpenAI sugere que, com acesso a LLMs, cerca de 15% de todas as tarefas dos trabalhadores nos EUA poderiam ser realizada de forma significativamente mais rápida e com o mesmo nível de qualidade. Ao incorporar software e ferramentas construídas sobre LLMs, tal participação aumenta para 47 a 56% de todas as tarefas. Isso nos diz que as aplicações que serão desenvolvidas usando LLMs como plataformas [Plataformas & Ecossistemas, em tinyurl.com/2lw2f7r2] terão efeitos substanciais na escala dos impactos econômicos dos modelos subjacentes.

A conclusão óbvia parece ser que LLMs como a família GPT por trás do ChatGPT, são GPTs, ou General Purpose Technologies [veja tinyurl.com/2eyvgn9c], tecnologias que podem afetar economias inteiras, em escala nacional e talvez global, tendo o potencial de alterar drasticamente as sociedades em função de seu impacto nas estruturas econômicas e sociais pré-existentes. Exemplos de GPTs são a máquina a vapor, a eletricidade e TICs, as tecnologias de informação e comunicação, que promoveram [e estão promovendo, LLMs são uma classe de TICs…] transformações radicais em quase todas as facetas da performance humana e das organizações nos últimos cinquenta anos, pelo menos.

A consequência dessa transformação radical não é necessariamente o desemprego em massa, mas um redesenho profundo das funções e habilidades necessárias no mercado de trabalho e no projeto de emprego e carreira de quase todo mundo. Muitos dos trabalhos que são [ou eram, anteriormente] realizados [somente] por humanos estão sendo transformados, mas também estão surgindo novas funções e profissões que exigem uma compreensão mais profunda das tecnologias de, com ou para IA e sua interação com humanos.

Em meio a um futuro que pode ser radicalmente transformado por IA, haverá um lugar cada vez mais importante para habilidades inerentemente humanas. A empatia, o julgamento, intuição e a capacidade de compreender e responder à complexidade emocional e social ainda não é dominada por IA e o trabalho que requer tais habilidades continuará a ser essencialmente humano. Na verdade, à medida que IA assume mais funções de processamento simbólico, habilidades essencialmente humanas devem se tornar ainda mais valiosas. À medida que mais e mais do nosso mundo é mediado por algoritmos, a capacidade de compreender e navegar no mundo social e emocional cada vez mais complexo pode se tornar uma habilidade muito mais crítica.

Há um risco, claro, que essas mudanças possam acentuar as desigualdades já existentes. Aqueles que têm o luxo de adquirir novas habilidades e adaptar-se a novas formas de trabalho podem prosperar, enquanto quem não tem pode ser deixado para trás. Por isso, é essencial que façamos investimentos significativos em educação e treinamento para garantir que todos tenham pelo menos a oportunidade de se adaptar e prosperar neste novo mundo.

IA não é apenas uma ferramenta, é mais uma dimensão da inteligência [As Três Inteligências, https://bit.ly/tds-3inteli], além da individual e social; e ainda somos nós, humanos, que moldamos seu futuro. Não há dúvida de que IA vai transformar o trabalho de maneira radical e que as mudanças podem ser perturbadoras. Os próximos anos serão vitais para definir o futuro de IA e seu papel na sociedade; não podemos prever com precisão todas as mudanças, mas podemos nos preparar para elas, investindo em educação, ciência, tecnologia, inovação e políticas públicas que promovam o uso ético e responsável de IA. Ao fazer isso, podemos esperar que IA seja usada para ampliar capacidades humanas, em vez de substituí-las.

Enfim… estamos vivendo uma transformação profunda na organização do trabalho e da produção, e consequentemente do emprego, impulsionada por TICs -e daqui pra frente, em especial, por IA- e pela emergência de novas formas de trabalho. Essa transformação apresenta desafios significativos, mas também oportunidades para descobrir formas mais flexíveis e eficientes de trabalho e emprego. As plataformas digitais, sociais, figitais e de inteligência artificial, associadas, estão no centro dessa transformação, criando novas oportunidades de criar e transformar trabalho e emprego.

Outros posts

E AÍ… IA [II]

Trabalho, Emprego e IA   Há uma transformação profunda do trabalho e da produção, como parte da transformação figital dos mercados, da economia e da

EFEITOS DE REDE E ECOSSISTEMAS FIGITAIS [XV]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

E AÍ, IA… [I]

IA fará com que todos sejam iguais em sua capacidade de serem desiguais. É o maior paradoxo desde que Yogi Berra disse… ‘Ninguém mais vai

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [XII]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [xi]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [x]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [ix]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [vi]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [v]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [iv]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

chatGPT: cria ou destrói trabalho?

O potencial de relevância e impacto inovador de transformadores [veja A Grande Transformação dos Transformadores, em bit.ly/3iou4aO e ChatGPT is everywhere. Here’s where it came

A Grande Transformação dos Transformadores

Um transformador, na lembrança popular, era [ainda é] a série de filmes [Transformers, bit.ly/3Qp97cu] onde objetos inanimados, inconscientes e -só por acaso- alienígenas, que existiam

Começou o Governo. Cadê a Estratégia?

Estamos em 02/01/2023. Ontem foram as posses e os discursos. Hoje começam a trabalhar um novo Presidente da República, dezenas de ministros e ainda serão

23 anotações sobre 2023 [xxiii]

Este é o 23° de uma série de textos sobre o que pode acontecer, ou se tornar digno de nota, nos próximos meses e poucos

23 anotações sobre 2023 [xxii]

Este é o 22° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xxi]

Este é o 21° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xx]

Este é o 20° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xix]

Este é o 19° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xviii]

Este é o 18° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xvii]

Este é o 17° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xvi]

Este é o 16° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xv]

Este é o 15° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xiv]

Este é o décimo quarto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xiii]

Este é o décimo terceiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xii]

Este é o décimo segundo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xi]

Este é o décimo primeiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [x]

Este é o décimo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [ix]

Este é o nono de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [viii]

Este é o oitavo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [vii]

Este é o sétimo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [vi]

Este é o sexto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [v]

Este é o quinto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [iv]

Este é o quarto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [iii]

Este é o terceiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [ii]

Este é o segundo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [i]

Esta é uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar digno de nota,

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [ii]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [i]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

O Metaverso, Discado [4]

Este é o quarto post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor começar lendo o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g], que tem um link pro

O Metaverso, Discado [3]

Este é o terceiro post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor começar lendo o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g], que tem um link pro

O Metaverso, Discado [2]

Este é o segundo post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor ler o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g] antes de começar a ler este aqui. Se puder, vá lá, e volte aqui.

O Metaverso, Discado [1]

O metaverso vai começar “discado”. E isso é bom. Porque significa que vai ser criado e acontecer paulatinamente. Não vai rolar um big bang vindo

chega de reuniões

um ESTUDO de 20 empresas dos setores automotivo, metalúrgico, elétrico, químico e embalagens mostra que comportamentos disfuncionais em REUNIÕES [como fugir do tema, reclamar, criticar…

Definindo “o” Metaverso

Imagine o FUTEBOL no METAVERSO: dois times, A e B, jogam nos SEUS estádios, com SUAS bolas e SUAS torcidas. As BOLAS, cada uma num

Rupturas, atuais e futuras,
no Ensino Superior

Comparando as faculdades com outras organizações na sociedade,percebe-se que sua peculiaridade mais notável não é seu produto,mas a extensão em que são operadas por amadores.

O que é Estratégia?

A primeira edição do Tractatus Logico-Philosophicus [TLP] foi publicada há exatos 100 anos, no Annalen der Naturphilosophie, Leipzig, em 1921. Foi o único livro de

O Brasil Tem Futuro?

Uma das fases mais perigosas e certamente mais danosas para analisar e|ou entender o nosso país é a de que “O Brasil é o país

Os Velhos Envelopes, Digitais

Acho que o último envelope que eu recebi e não era um boleto data da década de 1990, salvo uma ou outra exceção, de alguém

Houston, nós temos um problema…

Este texto é uma transcrição editada de uma intervenção no debate “De 1822 a 2022 passando por 1922 e imaginando 2122: o salto [?] da

Pessoas, Games, Gamers, Cavalos…

Cartas de Pokémon voltaram à moda na pandemia e os preços foram para a estratosfera. Uma Charizard holográfica, da primeira edição, vale dezenas de milhares

As Redes e os Currais Algorítmicos

Estudos ainda limitados[1] sobre política e sociedade mostram que a cisão entre centro [ou equilíbrio] e anarquia [ou caos] é tão relevante quanto a divisão

O Trabalho, em Transição

Trabalho e emprego globais estão sob grande impacto da pandemia e da transformação digital da economia, em que a primeira é o contexto indesejado que

O ano do Carnaval que não houve

Dois mil e vinte e um será, para sempre, o ano do Carnaval que não houve. Quem sentirá na alma são os brincantes para quem

Rede, Agentes Intermediários e Democracia

Imagine um provedor de infraestrutura e serviços de informação tomando a decisão de não trabalhar para “um cliente incapaz de identificar e remover conteúdo que

21 anotações sobre 2021

1 pode até aparecer, no seu calendário, que o ano que vem é 2021. mas não: é 2025. a aceleração causada por covid19, segundo múltiplas

A Humanidade, em Rede

Redes. Pessoas, do mundo inteiro, colaborando. Dados, de milhares de laboratórios, hospitais, centros de pesquisa e sistemas de saúde, online, abertos, analisados por sistemas escritos

tecnologia e[m] crises

tecnologia, no discurso e entendimento contemporâneo, é o mesmo que tecnologias da informação e comunicação, TICs. não deveria ser, até porque uma ponte de concreto

o que aconteceu
no TSE ontem?

PELA PRIMEIRA VEZ em muitos anos, o BRASIL teve a impressão de que alguma coisa poderia estar errada no seu processo eleitoral, e isso aconteceu

CRIAR um TEMPO
para o FUTURO

em tempos de troca de era, há uma clara percepção de que o tempo se torna mais escasso. porque além de tudo o que fazíamos

Duas Tendências Irreversíveis, Agora

O futuro não acontece de repente, todo de uma vez. O futuro é criado, paulatinamente, por sinais vindos de lá mesmo, do futuro, por caminhos

futuro: negócios e
pessoas, figitais

em tempos de grandes crises, o futuro, às vezes mais do que o presente, é o centro das preocupações das pessoas, famílias, grupos, empresas e

bom senso & saber

uma pergunta que já deve ter passado pela cabeça de muita gente é… o que é o bom senso, e como é que a gente

uma TESE são “só” 5 coisas…

…e uma dissertação e um trabalho de conclusão de curso, também. este post nasceu de um thread no meu twitter, sumarizando perguntas que, durante a

os novos NORMAIS serão FIGITAIS

há muitas empresas achando que… “agora que COVID19 está passando, bora esquecer essa coisa de DIGITAL e trazer os clientes de volta pras lojas”… enquanto

Novas Formas de Pensar em Tempos Incertos

O HOMO SAPIENS anatomicamente moderno tem ceca de 200.000 anos. Há provas de que tínhamos amplo controle do fogo -talvez “a” tecnologia fundadora da humanidade-

Efeitos não biológicos de COVID19

A PARTIR do que já sabemos, quais os impactos e efeitos de médio e longo prazo da pandemia?… O que dizem as pesquisas, não sobre

APRENDER EM VELOCIDADE DE CRISE

TODOS OS NEGÓCIOS estiveram sob gigantesca pressão para fazer DUAS COISAS nas últimas semanas, quando cinco décadas de um processo de transformação digital que vinha,

UM ANTIVÍRUS para a HUMANIDADE

SARS-COV-2 é só um dos milhares de coronavírus que a ciência estima existir, ínfima parte dos 1,7 milhões de vírus desconhecidos que os modelos matemáticos

Mundo Injusto, Algoritmos Justos?

Se um sistema afeta a vida das pessoas, exige-se que seu comportamento seja justo. Pelo menos no que costumamos chamar de civilização. Ser justo é

Das nuvens, também chovem dados

Há uns meses, falamos de Três Leis da Era Digital, inspiradas nos princípios de Asimov para a Robótica. As Leis eram… 1ª: Deve-se proteger os

As Três Leis da Era Digital

Há setenta e oito anos, Isaac Asimov publicava a primeira versão do que todos conhecem como as Três Leis da Robótica[1]. A Primeira diz que

o apocalipse digital…

…segundo silvio meira, capítulo 55, versículo 2019, parágrafos 1 a 8. escrito em plena sexta-feira 13, num dos grupos de inovação [corporativa] mais animados e

por uma educação
“sem” distância

Uma versão editada do texto abaixo foi publicada no ESTADÃO em 28/08/2019, quando ninguém tinha a menor ideia de que toda a educação do país

uma classe para o brasil

este texto tem origem numa discussão [em grupos de zap, que depois se tornaram mesas de bar…] sobre o protagonismo do brasil em um particular cenário

Silvio Meira é cientista-chefe da TDS.company, professor extraordinário da CESAR.school e presidente do conselho do PortoDigital.org

contato@tds.company

Rua da Guia, 217, Porto Digital Recife.

tds.company
somos um negócio de levar negócios para o futuro, nosso objetivo é apoiar a transformação de negócios nascentes e legados nas jornadas de transição entre o presente analógico e o futuro digital.

strateegia
é uma plataforma colaborativa de estratégia digital para adaptação, evolução e transformação de negócios analógicos em plataformas e ecossistemas digitais, desenvolvido ao longo de mais de uma década de experiência no mercado e muitas na academia.