SILVIO MEIRA

E AÍ… IA [III]

Mas IA, de onde vem, pra onde vai?…

 

No futuro, três tipos de inteligência:
individual, social e artificial.
E as três são dimensões da performance humana, agora.

 

”I propose to consider the question ‘Can machines think?’”, é a primeira frase de Computing Machinery and Intelligence, artigo de Alan Turing na revista Mind [outubro de 1950, tinyurl.com/yc28s45x]. Ela pode ser considerada o ponto de partida que nos trouxe ao frenesi sobre inteligência artificial, e suas implicações para a humanidade, que assola da mesa do bar ao altar, hoje. Lá, Turing diz que imitar uma mente humana com uma máquina [inteligente] envolve… 1. partir de um estado inicial da mente [como o do nascimento…]; 2. educá-la [formalmente] até um estado equivalente a um adulto e 3. adicionar outras experiências [que não podem ser descritas como educação].

Assumindo que seja isso, será que já temos a combinação de 1 + 2 + 3 agora? Minha melhor hipótese é que não temos, ainda. Mas que, algum dia [quando?…] teremos. A comparação de Turing é que o processo envolvido em 1 + 2 + 3 se parece com a evolução [das espécies] e ele dizia, ainda, que …one may hope, however, that this process will be more expeditious than evolution; the survival of the fittest is a slow method for measuring advantages. Com gerações inteiras de máquinas [inteligentes?] evoluindo por dia [horas? minutos?…], é de se esperar que não tenhamos que esperar centenas de milhares ou [centenas de] milhões de anos para que 1 + 2 + 3 entregue alguma máquina verdadeiramente inteligente.

Mas todo mundo que tentou prever quando isso iria acontecer, errou, e por muito, até agora [Technological singularity, tinyurl.com/2c9nvnfp]: se dependesse de I. J. Good, o primeiro a formular a hipótese da singularidade em 1965, já teríamos inteligência artificial geral dentro de uma máquina desde 2000. Hoje, há quem diga que o prazo é 2050 [ao custo de míseros US$1 trilhão em capacidade computacional] mas outros garantem que não rola antes de 2300 [An executive primer on artificial general intelligence, tinyurl.com/2bv5jqex], porque a agenda de problemas a resolver [percepção sensorial, engajamento social e emocional, autonomia, criatividade, resolução de problemas… sem falar dos problemas computacionais] é grande, complexa, e… nós ainda nem sabemos bem como os cérebros humanos fazem isso.

Voltando a Turing, ele faz muito mais perguntas do que responde [completamente], no artigo, e continua em aberto, até hoje, o que é [exatamente] inteligência, memória, isso sem falar em mente e consciência, e por aí vai. Só pra ter uma ideia, parece que estamos chegando à conclusão de que o cérebro humano armazena uns 2.500 Terabytes [Nanoconnectomic upper bound on the variability of synaptic plasticity, tinyurl.com/27jzls49]. Se usássemos o cérebro pra gravar informação como vemos, por exemplo, isso daria umas 20 horas de vídeo, na resolução do olho humano.

Mas, durante uma vida, capturamos mais de 400.000 horas de “vídeo” [Can a human brain hold your life experience?, tinyurl.com/2y384ckq], e isso só com um sentido! A “memória” do cérebro é muito mais esperta do que um mero sistema de armazenamento e recuperação de informação, tem capacidades [de compressão, abstração…] não triviais e não completamente explicadas, apesar de seus limites estritos de processamento de informação [Capacity limits of information processing in the brain, tinyurl.com/27ncofpx]. Mas o cérebro humano é muito mais sofisticado do que grandes modelos linguísticos como a família GPT, começando pelo básico: LLMs não conectam as palavras [textos, imagens, vídeos] que sintetizam com o mundo aqui fora [Brain in a Vat: On Missing Pieces Towards AGI in LLMs, tinyurl.com/25ssj97a].

Yangmingzi [1472-1529, tinyurl.com/259xrbqs], interpretando Mengzi, dizia que… aqueles que “sabem”, mas não fazem, simplesmente ainda não sabem. Como um ditado, ouvi esse aforismo durante toda minha carreira na universidade, e de forma depreciativa: quem sabe, faz; quem não sabe, ensina. Sempre achei que deveria ser… quem sabe, faz; quem não sabe, aprende, conectando experiência e educação como John Dewey propôs magistralmente em 1938 [tinyurl.com/244elalw]. Esse é exatamente o caso dos LLMs, que não sabem… nada. Mas… como poderiam vir a saber? Melhor ouvir Turing, de novo?…

Uma releitura contemporânea de Turing, usando três princípios muito correlacionados ao do fundador da computação, está em Minedojo: Building open-ended embodied agents with internet-scale knowledge, [Fan, L. et al., 2022, tinyurl.com/2lyafnsc], onde o problema tratado é o desenvolvimento de agentes autônomos incorporados que podem atingir desempenho similar ao humano em um amplo espectro de tarefas. Para isso… 1. a arquitetura do agente precisa ser flexível [para executar qualquer tarefa em ambientes abertos] e escalável [para converter grandes bases de conhecimento em insights acionáveis]; 2. deve haver uma base de conhecimento prévio em grande escala [para facilitar aprendizado em ambiente aberto] e 3. o ambiente em que o agente atua precisa permitir uma variedade ilimitada de objetivos abertos [i.e., não definidos a priori] para que o agente se desenvolve [em potencial, ilimitadamente]. Esse 1 + 2 + 3 aí é “o mesmo” de Turing, lá no começo do texto.

Linxi Fan e co-autores criaram um framework pra fazer isso em Minecraft [veja o link acima] e a base de conhecimento [o item 2, acima] tem mais de 730 mil vídeos narrados de gameplay, [cerca de 300 mil horas] e 2,2 bilhões de palavras na transcrição para o inglês. Tal tamanho de esforço muda, em si, o que a gente costumava chamar de pesquisa científica até algum tempo. Mas… onde isso vai nos levar? Tudo bem que temos tempo, até 2300, pelo menos, pra ter uma inteligência artificial capaz de competir a sério -ou de brincadeira, pode ser ainda melhor- com humanos. Mas vamos chegar lá? Ninguém sabe, mas prevejo que sim, vamos chegar perto, se definirmos o com alguma precisão.

E mesmo com uma definição precisa do , o caminho é muito difícil. Primeiro, aumentar [muito] a capacidade dos modelos atuais [que muita gente acha que “são” IA…] talvez não nos leve a nada mais do que… modelos maiores, e não muito melhores [veja este e outros argumentos em The shape of AGI: Cartoons and back of envelope, tinyurl.com/22le9okg]. Segundo, é quase certo que impedimentos computacionais fundamentais vão nos deixar pelo menos um pouco longe do de várias formas. Quer ver só um?…

Em 2005, Marcus Hutter provou [em Sequential Decisions based on Algorithmic Probability, tinyurl.com/82lyarl] que o comportamento ótimo de um agente que tenta atingir objetivos em um ambiente desconhecido, mas computável [como os agentes de Linxi Fan, acima], é adivinhar a cada passo que o ambiente é provavelmente controlado por um dos programas mais curtos consistentes com todas as interações até agora. Só que não há uma solução geral para este problema, que é o mesmo da complexidade de Kolmogorov, por sua vez vizinho dos problemas fundacionais de Gödel e Turing na computação. Hutter também provou que ao restringir o ambiente a um tempo t e espaço s, há solução em tempo exponencial em s, o que é intratável e por conseguinte inútil na prática. Ou seja… vamos “resolver” o problema com heurísticas e aproximações.

Por que isso importa quando discutimos IA? Porque os agentes de Linxi Fan [em um espaço de voxelsOpen-Ended Evolution for Minecraft Building Generation, tinyurl.com/22u6kcu6] têm que resolver o mesmo problema dos LLMs quando calculam a escolha da próxima palavra de uma resposta a um dos prompts que você teclou. Reduzindo muito o que LLMs fazem… eles “simplesmente prevêem a próxima palavra em uma sequência” [veja What Is a Large Language Model, https://tinyurl.com/25akvzbb, para uma explicação simples].

LLMs já têm um grande impacto nas expectativas dos humanos sobre o futuro, e futuro próximo, tipo ontem. Isso não quer dizer que LLMs sejam sistemas inteligentes [Large learning models are an unfortunate detour in AI, tinyurl.com/252nf3m4] ou tenham alguma chance, com o aumento de sua capacidade, de chegar [que aqui é inteligência humana, irrestrita]. Melhorar um cágado, e muito, você sabe, não resulta numa águia. Não há nenhum caminho de evolução entre a partida e a chegada.

A performance -impressionante, é verdade- de LLMs numa vasta classe de tarefas hoje realizadas por humanos quer dizer, em sua essência, que humanos não deveriam estar realizando tais tarefas -que não demandam nossas capacidades cognitivas mais sofisticadas como deveriam [veja, por exemplo, Attention Control: A Cornerstone of Higher-Order Cognition, tinyurl.com/227bf7n9]. E não que LLMs têm características iguais à da inteligência humana, ou que são “inteligentes como humanos”. Ainda assim, há uma implicação: em muito breve, muitos humanos que estão realizando tais tarefas serão substituídos, pelo menos em parte, por LLMs.

Dito isto, LLMs são certamente um grande passo para a área de inteligência artificial, mas um pequeno passo para a humanidade no complexo e escarpado caminho até, pelo menos 2300.

Outros posts

E AÍ… IA [II]

Trabalho, Emprego e IA   Há uma transformação profunda do trabalho e da produção, como parte da transformação figital dos mercados, da economia e da

EFEITOS DE REDE E ECOSSISTEMAS FIGITAIS [XV]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

E AÍ, IA… [I]

IA fará com que todos sejam iguais em sua capacidade de serem desiguais. É o maior paradoxo desde que Yogi Berra disse… ‘Ninguém mais vai

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [XII]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [xi]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [x]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [ix]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [vi]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [v]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [iv]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

chatGPT: cria ou destrói trabalho?

O potencial de relevância e impacto inovador de transformadores [veja A Grande Transformação dos Transformadores, em bit.ly/3iou4aO e ChatGPT is everywhere. Here’s where it came

A Grande Transformação dos Transformadores

Um transformador, na lembrança popular, era [ainda é] a série de filmes [Transformers, bit.ly/3Qp97cu] onde objetos inanimados, inconscientes e -só por acaso- alienígenas, que existiam

Começou o Governo. Cadê a Estratégia?

Estamos em 02/01/2023. Ontem foram as posses e os discursos. Hoje começam a trabalhar um novo Presidente da República, dezenas de ministros e ainda serão

23 anotações sobre 2023 [xxiii]

Este é o 23° de uma série de textos sobre o que pode acontecer, ou se tornar digno de nota, nos próximos meses e poucos

23 anotações sobre 2023 [xxii]

Este é o 22° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xxi]

Este é o 21° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xx]

Este é o 20° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xix]

Este é o 19° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xviii]

Este é o 18° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xvii]

Este é o 17° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xvi]

Este é o 16° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xv]

Este é o 15° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xiv]

Este é o décimo quarto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xiii]

Este é o décimo terceiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xii]

Este é o décimo segundo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xi]

Este é o décimo primeiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [x]

Este é o décimo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [ix]

Este é o nono de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [viii]

Este é o oitavo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [vii]

Este é o sétimo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [vi]

Este é o sexto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [v]

Este é o quinto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [iv]

Este é o quarto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [iii]

Este é o terceiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [ii]

Este é o segundo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [i]

Esta é uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar digno de nota,

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [ii]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [i]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

O Metaverso, Discado [4]

Este é o quarto post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor começar lendo o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g], que tem um link pro

O Metaverso, Discado [3]

Este é o terceiro post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor começar lendo o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g], que tem um link pro

O Metaverso, Discado [2]

Este é o segundo post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor ler o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g] antes de começar a ler este aqui. Se puder, vá lá, e volte aqui.

O Metaverso, Discado [1]

O metaverso vai começar “discado”. E isso é bom. Porque significa que vai ser criado e acontecer paulatinamente. Não vai rolar um big bang vindo

chega de reuniões

um ESTUDO de 20 empresas dos setores automotivo, metalúrgico, elétrico, químico e embalagens mostra que comportamentos disfuncionais em REUNIÕES [como fugir do tema, reclamar, criticar…

Definindo “o” Metaverso

Imagine o FUTEBOL no METAVERSO: dois times, A e B, jogam nos SEUS estádios, com SUAS bolas e SUAS torcidas. As BOLAS, cada uma num

Rupturas, atuais e futuras,
no Ensino Superior

Comparando as faculdades com outras organizações na sociedade,percebe-se que sua peculiaridade mais notável não é seu produto,mas a extensão em que são operadas por amadores.

O que é Estratégia?

A primeira edição do Tractatus Logico-Philosophicus [TLP] foi publicada há exatos 100 anos, no Annalen der Naturphilosophie, Leipzig, em 1921. Foi o único livro de

O Brasil Tem Futuro?

Uma das fases mais perigosas e certamente mais danosas para analisar e|ou entender o nosso país é a de que “O Brasil é o país

Os Velhos Envelopes, Digitais

Acho que o último envelope que eu recebi e não era um boleto data da década de 1990, salvo uma ou outra exceção, de alguém

Houston, nós temos um problema…

Este texto é uma transcrição editada de uma intervenção no debate “De 1822 a 2022 passando por 1922 e imaginando 2122: o salto [?] da

Pessoas, Games, Gamers, Cavalos…

Cartas de Pokémon voltaram à moda na pandemia e os preços foram para a estratosfera. Uma Charizard holográfica, da primeira edição, vale dezenas de milhares

As Redes e os Currais Algorítmicos

Estudos ainda limitados[1] sobre política e sociedade mostram que a cisão entre centro [ou equilíbrio] e anarquia [ou caos] é tão relevante quanto a divisão

O Trabalho, em Transição

Trabalho e emprego globais estão sob grande impacto da pandemia e da transformação digital da economia, em que a primeira é o contexto indesejado que

O ano do Carnaval que não houve

Dois mil e vinte e um será, para sempre, o ano do Carnaval que não houve. Quem sentirá na alma são os brincantes para quem

Rede, Agentes Intermediários e Democracia

Imagine um provedor de infraestrutura e serviços de informação tomando a decisão de não trabalhar para “um cliente incapaz de identificar e remover conteúdo que

21 anotações sobre 2021

1 pode até aparecer, no seu calendário, que o ano que vem é 2021. mas não: é 2025. a aceleração causada por covid19, segundo múltiplas

A Humanidade, em Rede

Redes. Pessoas, do mundo inteiro, colaborando. Dados, de milhares de laboratórios, hospitais, centros de pesquisa e sistemas de saúde, online, abertos, analisados por sistemas escritos

tecnologia e[m] crises

tecnologia, no discurso e entendimento contemporâneo, é o mesmo que tecnologias da informação e comunicação, TICs. não deveria ser, até porque uma ponte de concreto

o que aconteceu
no TSE ontem?

PELA PRIMEIRA VEZ em muitos anos, o BRASIL teve a impressão de que alguma coisa poderia estar errada no seu processo eleitoral, e isso aconteceu

CRIAR um TEMPO
para o FUTURO

em tempos de troca de era, há uma clara percepção de que o tempo se torna mais escasso. porque além de tudo o que fazíamos

Duas Tendências Irreversíveis, Agora

O futuro não acontece de repente, todo de uma vez. O futuro é criado, paulatinamente, por sinais vindos de lá mesmo, do futuro, por caminhos

futuro: negócios e
pessoas, figitais

em tempos de grandes crises, o futuro, às vezes mais do que o presente, é o centro das preocupações das pessoas, famílias, grupos, empresas e

bom senso & saber

uma pergunta que já deve ter passado pela cabeça de muita gente é… o que é o bom senso, e como é que a gente

uma TESE são “só” 5 coisas…

…e uma dissertação e um trabalho de conclusão de curso, também. este post nasceu de um thread no meu twitter, sumarizando perguntas que, durante a

os novos NORMAIS serão FIGITAIS

há muitas empresas achando que… “agora que COVID19 está passando, bora esquecer essa coisa de DIGITAL e trazer os clientes de volta pras lojas”… enquanto

Novas Formas de Pensar em Tempos Incertos

O HOMO SAPIENS anatomicamente moderno tem ceca de 200.000 anos. Há provas de que tínhamos amplo controle do fogo -talvez “a” tecnologia fundadora da humanidade-

Efeitos não biológicos de COVID19

A PARTIR do que já sabemos, quais os impactos e efeitos de médio e longo prazo da pandemia?… O que dizem as pesquisas, não sobre

APRENDER EM VELOCIDADE DE CRISE

TODOS OS NEGÓCIOS estiveram sob gigantesca pressão para fazer DUAS COISAS nas últimas semanas, quando cinco décadas de um processo de transformação digital que vinha,

UM ANTIVÍRUS para a HUMANIDADE

SARS-COV-2 é só um dos milhares de coronavírus que a ciência estima existir, ínfima parte dos 1,7 milhões de vírus desconhecidos que os modelos matemáticos

Mundo Injusto, Algoritmos Justos?

Se um sistema afeta a vida das pessoas, exige-se que seu comportamento seja justo. Pelo menos no que costumamos chamar de civilização. Ser justo é

Das nuvens, também chovem dados

Há uns meses, falamos de Três Leis da Era Digital, inspiradas nos princípios de Asimov para a Robótica. As Leis eram… 1ª: Deve-se proteger os

As Três Leis da Era Digital

Há setenta e oito anos, Isaac Asimov publicava a primeira versão do que todos conhecem como as Três Leis da Robótica[1]. A Primeira diz que

o apocalipse digital…

…segundo silvio meira, capítulo 55, versículo 2019, parágrafos 1 a 8. escrito em plena sexta-feira 13, num dos grupos de inovação [corporativa] mais animados e

por uma educação
“sem” distância

Uma versão editada do texto abaixo foi publicada no ESTADÃO em 28/08/2019, quando ninguém tinha a menor ideia de que toda a educação do país

uma classe para o brasil

este texto tem origem numa discussão [em grupos de zap, que depois se tornaram mesas de bar…] sobre o protagonismo do brasil em um particular cenário

Silvio Meira é cientista-chefe da TDS.company, professor extraordinário da CESAR.school e presidente do conselho do PortoDigital.org

contato@tds.company

Rua da Guia, 217, Porto Digital Recife.

tds.company
somos um negócio de levar negócios para o futuro, nosso objetivo é apoiar a transformação de negócios nascentes e legados nas jornadas de transição entre o presente analógico e o futuro digital.

strateegia
é uma plataforma colaborativa de estratégia digital para adaptação, evolução e transformação de negócios analógicos em plataformas e ecossistemas digitais, desenvolvido ao longo de mais de uma década de experiência no mercado e muitas na academia.