SILVIO MEIRA

dez tendências tecnológicas nos negócios [6]

a combinação de TICs para sustentabilidade e a própria sustentabilidade de TICs vai ocupar uma boa parte da “agenda sustentável” dos negócios, no futuro próximo. é isso que vamos discutir aqui, hoje, dando continuidade a uma série sobre um relatório da mcKinsey que aponta as dez principais tendências tecnológicas nos negócios nesta década.

as tres primeiras tendências [criação colaborativa, negócio = rede, colaboração em escala] apareceram no post inicial, neste link. no segundo texto, neste link, falamos da “internet das coisas” e, no texto anterior, sobre “big data” e experimentação. hoje, a conversa é introduzida pelo slide abaixo, de uma palestra do autor na CNI, em são paulo, cuja íntegra está neste link

 image

ao invés de considerar o impacto de TICs corporativas na sustentabilidade [ambiental] do negócio, vamos considerar aqui a faceta de sustentabilidade das próprias TICs no negócio, que também é uma preocupação essencial. TICs são, claro, muito importantes em todas as facetas de sustentabilidade, desde controlar gastos e excessos a redefinir certas infraestruturas, como vai ser o caso de eletricidade e “smart grid” e, mais perto dos negócios, da internet das coisas e seus impactos. sobre este último ponto, veja, neste blog, SPIMES, everyware, spimeware e um campo informacional global. me atrevo a dizer que as empresas que desconsiderarem a grande ordem de magnitude das mudanças que serão causadas pela internet das coisas no contexto de seus negócios vão ter sérios problemas nestas duas décadas.

mas, voltando ao foco que decidimos dar a este texo, watts humphrey, notável engenheiro da IBM e depois do SEI, na university of carnegie mellon, decretou anos atrás que “seja qual for seu negócio, você está no negócio de software”. humphrey não estava dizendo que as empresas eram ou seriam fábricas de software, mas que, à medida em que todos os processos e métodos das empresas iam sendo codificados em software, a importância dos sistemas de informação para os negócios se tornaria fundamental.

a “sentença” de humphrey foi dita há quase uma década, quando as empresas estavam saindo do bug do milênio e tiveram que revisar, cada uma, quase todo o software que servia de esteio aos seus processos de negócio. de lá para cá, o uso cada vez mais intenso de metassistemas corporativos como os de ERP e CRM diminuiram o esforço de “escrever” uma empresa em software, talvez de impossível para muito difícil.

mesmo assim, escrever os sistemas de informação de um negócio e cuidar de sua manutenção ao tempo em que tudo, do mercado a fornecedores e clientes e até a própria empresa mudam, o tempo todo… gasta uma energia [e recursos] que podem por em risco a sobrevivência do negócio. daí este texto, relacionando a tendência da mcKinsey [sobre TICs e sustentabilidade em geral] aos problemas de equilíbrio entre investimentos e resultados associados a TICs nos negócios.

não faz muito tempo, as empresas não tinham alternativas a não ser escrever, elas próprias, a empresa em software. na melhor das hipóteses, isso era [ou melhor, é] terceirizado para um alguém que o faz para a empresa, o que deixa o pessoal do negócio, em tese, se concentrar no negócio propriamente dito, ou seja, nos processos de negócio que realmente fazem da empresa o que ela é. como se não bastasse, era a própria empresa que rodava seu software, tendo que manter seus próprios centros computacionais, como muitas fazem até hoje.

é mais ou menos como cada corporação, ao depender de eletricidade para tudo, fizesse um de tudo para tê-la, das licenças ambientais para gerar energia até operação de um negócio separado de “força e luz”, que a provê ao negócio principal. nada surpreendente que se gaste tanta energia [!], nos negócios, para alinhar o que se chama de TICs [tecnologias de informação e comunicação] ao “negócio” propriamente dito.

acontece que TI nos negócios é muito mais que hardware e software. um outro slide, de uma outra conversa, mostra do que estamos falando…

image

na coluna da esquerda, a imagem acima mostra o substrato que resulta, na economia, sociedade e empresas [e para as pessoas, em particular], em comunicação: o lado esquerdo representa a a internet, responsável pela conectividade do planeta, que vem a ser uma infraestrutura [cabos, servidores, roteadores, satélites…], sobre a qual se situam serviços [como SMTP, um protocolo para emeio] que suportam aplicações… como emeio, por sinal, que resultam em processos de comunicação. pegue seja lá o que acontece por causa da internet e dá pra explicar, de maneira abstrata, desta forma.

do lado direito, de baixo para cima, temos a pilha de níveis que leva à informatização dos negócios: na base, computação, comunicação e controle, sendo que comunicação é toda a pilha da esquerda, pra começar; e na base da pilha está todo o hardware, tudo o que você possa imaginar que processa informação [de forma física] e, ligado na tomada, “dá choque”.

a menos que seu negócio seja muito especial, nada do que ele usa neste nível é feito por ou precisa estar sob seu controle, sendo de sua propriedade e rodando dentro de um prédio seu; tanto quanto a infraestrutura de internet, a base da pilha pode e deve estar em qualquer lugar, sob certas condições contratuais de qualidade e performance de serviço. só pra lembrar, emeio, não por acaso, está aí…

sobre esta fundação, está o software básico, como sistemas operacionais, bancos de dados, servidores web e firewalls: de novo, nada disso é de sua conta, a menos que você esteja em um negócio especial como google, facebook, microsoft, totvs ou amazon. o negócio destas empresas é software e elas têm tudo a ver com este nível. você, não; se sua empresa não está –explicitamente- no negócio de software, seus processos de negócio devem ser sua principal preocupação e foco de investimento e ação e, só se for absolutamente necessário, você deve se preocupar com o nível de acima do software básico, que seriam as aplicações [ou, em termos da década de 70-80, o software aplicativo…] que sustentam diretamente seus processos de negócio.

aí estamos começando a chegar no que realmente interessa: se meu negócio não é de software e se é diferente –e se não quero ou não posso torná-lo diferente- da competição, tenho que procurar “sistemas” ou “aplicações” que me deixem a maior parte do tempo para tocar meus processos de negócio e não coisas que comecem a tomar o precioso tempo que eu teria para tocar o negócio para, ao invés, cuidar de TICs.

houve uma época em que “ter” e “rodar” sua própria base de hardware e desenvolver todo seu software em  casa era um imperativo do negócio. ou se fazia isso ou nada saia como se queria. ou, talvez, nada saia e ponto. era mais ou menos como, muito tempo atrás, ter que gerar sua própria energia elétrica, sem o que seu negócio não “rodava”. aliás, foi por isso que delmiro gouveia entrou no negócio de geração e distribuição de energia elétrica…

hoje, a sustentabilidade do negócio e de TICs no negócio depende, quase  essencialmente, de uma dedicação ferrenha à execução-como-eficiência focada nos processos de negócio, sem o que toda a casa corre o risco de se perder. TICs sustentáveis, no negócio, são aquelas que dão conta dos processos de negócio correntes com tanta eficácia e eficiência quanto possível, ao mesmo tempo em que servem de base para os processos de execução-como-aprendizado [a inovação, no negócio como um todo] de forma tão leve e rápida que for possível.

caso estas duas condições não sejam atendidas, nem TICs, no negócio, é “smart” e sustentada nem o negócio, provavelmente, é sustentado. lucro, então, nem pensar. tal insustentabilidade parece ser o caso de um bom número de empresas [e instituições de todos os tipos, como prefeituras] que ainda escreve todo o seu software, perdendo energia e tempo em construções e usos que deveriam ser absolutamente padrão nos negócios, públicos inclusive.

pense em quase cada prefeitura brasileira [entre as que têm a capacidade de cobrar impostos] escrevendo o software que gerencia seu IPTU e ISS. isso certamente teria que ser o caso quando a indústria de software propriamente dita não tinha conseguido elicitar um repertório padrão para resolver os problemas de classes inteiras de indústrias ao ponto em que, até muito recentemente, cada empresa ter mesmo que ter seu próprio centro computacional. isso porque não havia rede em quantidade e qualidade suficientes para depender de centros remotos e não havia tecnologia [de software] para tratar capacidade computacional como módulos padronizados, comoditizados, passíveis de serem agregados e fornecidos como serviço e bilhetados por volume de uso.

observar a evolução da pilha de TICs que sustenta os processos de negócio, na figura anterior, e redesenhar TICs nos negócios, fazendo o melhor uso das capacidades padrão existentes no mercado, experimentando de forma leve e rápida para criar o que não existe [no nível das aplicações] e que vai sustentar novos processos de negócio é parte essencial da agenda de sustentabilidade de TICs em qualquer negócio.

Outros posts

E AÍ… IA [II]

Trabalho, Emprego e IA   Há uma transformação profunda do trabalho e da produção, como parte da transformação figital dos mercados, da economia e da

EFEITOS DE REDE E ECOSSISTEMAS FIGITAIS [XV]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

E AÍ, IA… [I]

IA fará com que todos sejam iguais em sua capacidade de serem desiguais. É o maior paradoxo desde que Yogi Berra disse… ‘Ninguém mais vai

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [XII]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [xi]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [x]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [ix]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [vi]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [v]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [iv]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

chatGPT: cria ou destrói trabalho?

O potencial de relevância e impacto inovador de transformadores [veja A Grande Transformação dos Transformadores, em bit.ly/3iou4aO e ChatGPT is everywhere. Here’s where it came

A Grande Transformação dos Transformadores

Um transformador, na lembrança popular, era [ainda é] a série de filmes [Transformers, bit.ly/3Qp97cu] onde objetos inanimados, inconscientes e -só por acaso- alienígenas, que existiam

Começou o Governo. Cadê a Estratégia?

Estamos em 02/01/2023. Ontem foram as posses e os discursos. Hoje começam a trabalhar um novo Presidente da República, dezenas de ministros e ainda serão

23 anotações sobre 2023 [xxiii]

Este é o 23° de uma série de textos sobre o que pode acontecer, ou se tornar digno de nota, nos próximos meses e poucos

23 anotações sobre 2023 [xxii]

Este é o 22° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xxi]

Este é o 21° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xx]

Este é o 20° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xix]

Este é o 19° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xviii]

Este é o 18° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xvii]

Este é o 17° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xvi]

Este é o 16° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xv]

Este é o 15° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xiv]

Este é o décimo quarto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xiii]

Este é o décimo terceiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xii]

Este é o décimo segundo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xi]

Este é o décimo primeiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [x]

Este é o décimo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [ix]

Este é o nono de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [viii]

Este é o oitavo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [vii]

Este é o sétimo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [vi]

Este é o sexto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [v]

Este é o quinto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [iv]

Este é o quarto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [iii]

Este é o terceiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [ii]

Este é o segundo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [i]

Esta é uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar digno de nota,

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [ii]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [i]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

O Metaverso, Discado [4]

Este é o quarto post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor começar lendo o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g], que tem um link pro

O Metaverso, Discado [3]

Este é o terceiro post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor começar lendo o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g], que tem um link pro

O Metaverso, Discado [2]

Este é o segundo post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor ler o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g] antes de começar a ler este aqui. Se puder, vá lá, e volte aqui.

O Metaverso, Discado [1]

O metaverso vai começar “discado”. E isso é bom. Porque significa que vai ser criado e acontecer paulatinamente. Não vai rolar um big bang vindo

chega de reuniões

um ESTUDO de 20 empresas dos setores automotivo, metalúrgico, elétrico, químico e embalagens mostra que comportamentos disfuncionais em REUNIÕES [como fugir do tema, reclamar, criticar…

Definindo “o” Metaverso

Imagine o FUTEBOL no METAVERSO: dois times, A e B, jogam nos SEUS estádios, com SUAS bolas e SUAS torcidas. As BOLAS, cada uma num

Rupturas, atuais e futuras,
no Ensino Superior

Comparando as faculdades com outras organizações na sociedade,percebe-se que sua peculiaridade mais notável não é seu produto,mas a extensão em que são operadas por amadores.

O que é Estratégia?

A primeira edição do Tractatus Logico-Philosophicus [TLP] foi publicada há exatos 100 anos, no Annalen der Naturphilosophie, Leipzig, em 1921. Foi o único livro de

O Brasil Tem Futuro?

Uma das fases mais perigosas e certamente mais danosas para analisar e|ou entender o nosso país é a de que “O Brasil é o país

Os Velhos Envelopes, Digitais

Acho que o último envelope que eu recebi e não era um boleto data da década de 1990, salvo uma ou outra exceção, de alguém

Houston, nós temos um problema…

Este texto é uma transcrição editada de uma intervenção no debate “De 1822 a 2022 passando por 1922 e imaginando 2122: o salto [?] da

Pessoas, Games, Gamers, Cavalos…

Cartas de Pokémon voltaram à moda na pandemia e os preços foram para a estratosfera. Uma Charizard holográfica, da primeira edição, vale dezenas de milhares

As Redes e os Currais Algorítmicos

Estudos ainda limitados[1] sobre política e sociedade mostram que a cisão entre centro [ou equilíbrio] e anarquia [ou caos] é tão relevante quanto a divisão

O Trabalho, em Transição

Trabalho e emprego globais estão sob grande impacto da pandemia e da transformação digital da economia, em que a primeira é o contexto indesejado que

O ano do Carnaval que não houve

Dois mil e vinte e um será, para sempre, o ano do Carnaval que não houve. Quem sentirá na alma são os brincantes para quem

Rede, Agentes Intermediários e Democracia

Imagine um provedor de infraestrutura e serviços de informação tomando a decisão de não trabalhar para “um cliente incapaz de identificar e remover conteúdo que

21 anotações sobre 2021

1 pode até aparecer, no seu calendário, que o ano que vem é 2021. mas não: é 2025. a aceleração causada por covid19, segundo múltiplas

A Humanidade, em Rede

Redes. Pessoas, do mundo inteiro, colaborando. Dados, de milhares de laboratórios, hospitais, centros de pesquisa e sistemas de saúde, online, abertos, analisados por sistemas escritos

tecnologia e[m] crises

tecnologia, no discurso e entendimento contemporâneo, é o mesmo que tecnologias da informação e comunicação, TICs. não deveria ser, até porque uma ponte de concreto

o que aconteceu
no TSE ontem?

PELA PRIMEIRA VEZ em muitos anos, o BRASIL teve a impressão de que alguma coisa poderia estar errada no seu processo eleitoral, e isso aconteceu

CRIAR um TEMPO
para o FUTURO

em tempos de troca de era, há uma clara percepção de que o tempo se torna mais escasso. porque além de tudo o que fazíamos

Duas Tendências Irreversíveis, Agora

O futuro não acontece de repente, todo de uma vez. O futuro é criado, paulatinamente, por sinais vindos de lá mesmo, do futuro, por caminhos

futuro: negócios e
pessoas, figitais

em tempos de grandes crises, o futuro, às vezes mais do que o presente, é o centro das preocupações das pessoas, famílias, grupos, empresas e

bom senso & saber

uma pergunta que já deve ter passado pela cabeça de muita gente é… o que é o bom senso, e como é que a gente

uma TESE são “só” 5 coisas…

…e uma dissertação e um trabalho de conclusão de curso, também. este post nasceu de um thread no meu twitter, sumarizando perguntas que, durante a

os novos NORMAIS serão FIGITAIS

há muitas empresas achando que… “agora que COVID19 está passando, bora esquecer essa coisa de DIGITAL e trazer os clientes de volta pras lojas”… enquanto

Novas Formas de Pensar em Tempos Incertos

O HOMO SAPIENS anatomicamente moderno tem ceca de 200.000 anos. Há provas de que tínhamos amplo controle do fogo -talvez “a” tecnologia fundadora da humanidade-

Efeitos não biológicos de COVID19

A PARTIR do que já sabemos, quais os impactos e efeitos de médio e longo prazo da pandemia?… O que dizem as pesquisas, não sobre

APRENDER EM VELOCIDADE DE CRISE

TODOS OS NEGÓCIOS estiveram sob gigantesca pressão para fazer DUAS COISAS nas últimas semanas, quando cinco décadas de um processo de transformação digital que vinha,

UM ANTIVÍRUS para a HUMANIDADE

SARS-COV-2 é só um dos milhares de coronavírus que a ciência estima existir, ínfima parte dos 1,7 milhões de vírus desconhecidos que os modelos matemáticos

Mundo Injusto, Algoritmos Justos?

Se um sistema afeta a vida das pessoas, exige-se que seu comportamento seja justo. Pelo menos no que costumamos chamar de civilização. Ser justo é

Das nuvens, também chovem dados

Há uns meses, falamos de Três Leis da Era Digital, inspiradas nos princípios de Asimov para a Robótica. As Leis eram… 1ª: Deve-se proteger os

As Três Leis da Era Digital

Há setenta e oito anos, Isaac Asimov publicava a primeira versão do que todos conhecem como as Três Leis da Robótica[1]. A Primeira diz que

o apocalipse digital…

…segundo silvio meira, capítulo 55, versículo 2019, parágrafos 1 a 8. escrito em plena sexta-feira 13, num dos grupos de inovação [corporativa] mais animados e

por uma educação
“sem” distância

Uma versão editada do texto abaixo foi publicada no ESTADÃO em 28/08/2019, quando ninguém tinha a menor ideia de que toda a educação do país

uma classe para o brasil

este texto tem origem numa discussão [em grupos de zap, que depois se tornaram mesas de bar…] sobre o protagonismo do brasil em um particular cenário

Silvio Meira é cientista-chefe da TDS.company, professor extraordinário da CESAR.school e presidente do conselho do PortoDigital.org

contato@tds.company

Rua da Guia, 217, Porto Digital Recife.

tds.company
somos um negócio de levar negócios para o futuro, nosso objetivo é apoiar a transformação de negócios nascentes e legados nas jornadas de transição entre o presente analógico e o futuro digital.

strateegia
é uma plataforma colaborativa de estratégia digital para adaptação, evolução e transformação de negócios analógicos em plataformas e ecossistemas digitais, desenvolvido ao longo de mais de uma década de experiência no mercado e muitas na academia.