SILVIO MEIRA

educação empreendedora: intervalo…

a série do blog sobre educação empreendedora está quase no fim e todos os textos já publicados até aqui estão neste link. a qualquer momento vai aparecer um pequeno conjunto de textos seguido de números [como 1, 2…] que vão encerrar a coisa de vez. por enquanto, pelo menos, já que está em andamento um processo pra transformar o conjunto de posts daqui em um volume organizado, ordenado, com o mesmo nome. quero ver no que vai dar.

hoje vamos tratar de dois textos que apareceram recentemente em veículos respeitados da “imprensa” mundial. o primeiro, the economist, publicou um texto no 13 de abril questionando se educação superior não seria a “bolha da vez”.

explicando, a matéria cita peter thiel, fundador de payPal, dizendo que o ensino superior [pelo menos americano e europeu] passa por todos os crivos que caracterizam uma bolha: 1. custa caro. lá, custa caro aos alunos e seus pais; aqui, mesmo que tem bolsa federal pode gastar duas vezes o tempo normal do curso para terminá-lo. como são os contribuintes que pagam a conta, no fim das contas, não sei exatamente que tipo de incentivo é este, mas vamos em frente; 2. o custo da dívida contraída para estudar é alto. lá, certamente que é; aqui, parece ser em tempo perdido, pois há muita gente fazendo cursos para os quais não há trabalho e esquecendo os cursos para os quais há trabalho, mas não há preparo para fazê-los, como os das áreas de exatas e engenharias. de novo, vamos em frente; 3. as taxas de retorno sobre o investimento em tempo e recursos investidos em estudo não parecem remunerar o esforço. de novo, lá, onde há uma base bem acima da média de formação nos níveis anteriores à universidade, onde quase todos têm que pagar contas pesadas e quase nunca estudar enquanto moram na casa dos pais. de novo, o contrário daqui.

usando uma ótica brasileira, seria possível concluir que vivemos uma “bolha” educacional? de forma ampla, não; olhando para certos tipos de formação, inclusive em áreas críticas como informática, sim. como assim? há dezenas de milhares de vagas abertas para quem sabe programar, em todo brasil. mas programar mesmo, tipo criar aplicações para celulares android e iPhone e software para rodar sobre a nuvem, na web, nas redes sociais. para isso falta muita gente. mas muita gente estuda e estudou informaticommodity, coisas de informática que não levam ao desenvolvimento de sistemas de informação baseados em hardware, software ou nos dois. essa galera vive uma bolha e não vai ver, talvez nunca, o retorno de seu investimento. este blog já discutiu coisa parecida com isso neste texto. vá ver.

resumo, até aqui? se você está estudando alguma coisa que lhe permite ver um retorno sobre seu investimento em uma carreira normal e não numa loteria de concursos públicos [suspensos, por sinal] de 1.000 candidatos por vaga, vá em frente, você não é parte da bolha. caso contrário, pense bem… você pode estar na “faixa de thiel”.

thiel, o fundador de payPal, resolver “salvar” vinte estudantes americanos da “bolha” do ensino superior de lá, oferecendo bolas de empreendedorismo de US$100.000 para que eles comecem um negócio ao invés de se endividarem para fazer uma universidade que talvez os remunere bem menos ou nunca. claro que a chance de um ser humano normal passar no “crivo de thiel” talvez seja menor do que capturar uma vaga numa repartição federal brasileira, mas a idéia de thiel é provocar muito mais gente de posse a fazer o mesmo e ajudar a criar uma onda empreendedora no mercado americano, deprimido muito mais por falta de empreendedores de sucesso com ideias de classe mundial do que por falta de bons alunos na universidade.

imagefalando em universidade e sair delas… e chegar de volta, dando a volta por cima…  o MIT MEDIA LAB, um dos mais renomados laboratórios do planeta, acabou de indicar como seu diretor executivo ninguém menos do que joichi ito, empreendedor [capitalista e social] japonês que não terminou dois cursos de graduação, em física e computação? e o último, em particular, porque achava “estúpido” ter que aprender computação na sala de aula? bem, a vida dá voltas… e deve haver um monte de gente que achava que deveria ser o próximo diretor de um lab como o do MIT se perguntando o que foi que não fez para chegar lá… vai ver a resposta é… não viveu, deu voltas, não arriscou, não empreendeu o suficiente para entender como a vida funciona de verdade. assim como muito professor que nunca professou a profissão da qual deveria servir como exemplo e vive a repetir histórias irrepetíveis, na prática, que leu num e noutro livro aqui e ali.

o que nos leva a scott adams, o criador de dilbert, o das histórias em quadrinhos. se eu fosse você, eu leria o quadrinho abaixo, mais de uma vez, antes de continuar a ler nossa historinha aqui do blog… o original, pouco maior, está neste link.

image

o que tem dilbert a ver com nossa conversa? bem, o segundo texto da “grande imprensa”, no wall street journal, é do scott adams e se chama how to get a real education, ou como se educar de verdade. adams começa a conversa chamando todos à realidade:

I understand why the top students in America study physics, chemistry, calculus and classic literature. The kids in this brainy group are the future professors, scientists, thinkers and engineers who will propel civilization forward. But why do we make B students sit through these same classes? That’s like trying to train your cat to do your taxes—a waste of time and money. Wouldn’t it make more sense to teach B students something useful, like entrepreneurship?…

resumo? se você não está entre os “brilhantes”, ao invés de se dedicar a coisas que não irão lhe levar onde você quer e provavelmente pode ir… por que, ao invés de estudar mecânica quântica… você não aprende a empreender no seu curso superior [e eu adiciono… ou talvez antes]?…

isso não quer dizer que não vá haver empreendedores entre os mais brilhantes. sempre haverá. mas tão poucos que serão estrelas. só que a vasta maioria dos empreendedores de sucesso tem uma visão de mundo muito diferente de quase todos os grandes cientistas. procure as histórias e verá que são raros os casos que combinam ambas as capacidades.

ok… é muito provável que você, até porque não quer se dedicar aos problemas e práticas que levariam ao sucesso científico, como joi ito, steve jobs e bill gates e mais um monte de gente boa, não vai criar nenhuma teoria fundamental para explicar o universo. que tal empreender? e o que diz adams, empreendedor [de muito sucesso] de si mesmo?

[antes: a tirinha abaixo é de 13/01/1995; naquela época, havia quase tanta gente fazendo processadores de texto para windows quantas há, hoje, tentando empreender uma rede de compras coletivas…]

image

sim, e o que diz adams? vejamos…

1. combine habilidades. saber uma coisa, muito bem, é muito, muito menos do que saber várias, bem. saber várias, bem, implica entender contextos de uso delas e sua combinação, no espaço de problemas onde estão os negócios e as possibilidades de empreendimento.

2. falhe rápido. na verdade, a sugestão de adams é “fail foward”, para a qual falta uma boa tradução em português… mas se houvesse, seria algo como “acelere o processo de falhar”, já que você vai falhar na maioria dos casos, o faça com rapidez e aprenda o que tiver que ser aprendido rapidamente e passe para a próxima… falha. é falhando, ou errando, e na prática, que se aprende.

3. procure, encontre, faça parte da ação. conheço uns caras aqui em recife que fingem estar no silicon valley. certas horas até falam como se estivessem lá. mas estão aqui e não sabem nem o que está rolando no porto digital, quanto mais lá. não vão conseguir usar suas habilidades e falhar rápido nem lá nem cá. e você? seu negócio é software para a indústria de petróleo? vá pra perto dela e não fique tentando errar e aprender perto de frigoríficos. mova-se.

4. atraia a sorte. quanto mais você faz, mais trabalha, mais conversa, mais compartilha suas experiências, mais sorte você atrai, porque mais gente passa a se interessar por você. e aí coisas inesperadas [sorte?…] começam a acontecer. sorte se cria, não se espera. por mais fé que você tenha, trabalhe e se conecte; sorte é consequência.

5. domine o medo. há alguma forma mais fácil de dizer isso? não. mas tenha medo de quem não tem medo. quem não tem medo não tem limites, não sabe que riscos corre. tenha medo do que tem que ter e trabalhe pra controlar seus medos, seja lá do que for. você acreditaria se eu lhe dissesse que, depois de quarenta anos [isso, quarenta!…] eu ainda tenho medo de dar aulas e palestras… e que isso me faz estudar e trabalhar noites a fio, fins de semana inteiros e férias… e que isso se tornou uma vantagem competitiva radical… meu medo?…

6. aprenda a escrever. no nosso caso, aprenda português e inglês de tal forma que você possa escrever coisas complexas de forma simples e direta quando for preciso. o que pode nem sempre ser o caso, sob certas óticas, aqui no blog; entenda o porque neste link. mas se você vai empreender, saiba se expressar de forma simples, em discurso e texto, porque a vida não é um grande powerPoint. finalmente…

7. seja persuasivo. descubra que técnicas podem ser usadas para convencer outras pessoas das coisas das quais você está [está?…] convencido. não é só chegar e falar, é muito mais complexo do que isso. sabia que há cursos inteiros só para negociação de pontos de vista ou propostas de negócio? se ligue. vá atrás. eu ainda faço estes cursos até hoje, um deles agora em junho, pois gato velho também aprende pulo novo.

por último, um recado que adams não dá em seu texto do WSJ, mas numa tirinha de mais de vinte anos atrás [26/01/1990] mostrada abaixo. mesmo que você decida deixar a escola para empreender ou resolva empreender na universidade ou depois, se lembre que algumas idéias de negócio, mesmo umas que parecem muito interessantes à primeira análise e primeira rodada de investimentos, se tornam totalmente idiotas algum tempo depois. porque o cenário é dinâmico, muda o tempo todo e você, seu negócio, sua ideia  e sua capacidade empreendedora deveriam estar mudando junto.

isso sem falar que algumas ideias para potenciais grandes negócios, como o da tirinha abaixo, são idiotas já no ponto de partida. com o tempo você aprende a descobrir quais. isso se você tentar, errar e aprender o suficiente, na prática, ao invés de simplesmente ler sobre empreendedorismo [por exemplo, aqui no blog…]. vá lá, tente…

image

Outros posts

E AÍ… IA [II]

Trabalho, Emprego e IA   Há uma transformação profunda do trabalho e da produção, como parte da transformação figital dos mercados, da economia e da

EFEITOS DE REDE E ECOSSISTEMAS FIGITAIS [XV]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

E AÍ, IA… [I]

IA fará com que todos sejam iguais em sua capacidade de serem desiguais. É o maior paradoxo desde que Yogi Berra disse… ‘Ninguém mais vai

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [XII]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [xi]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [x]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [ix]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [vi]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [v]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [iv]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

chatGPT: cria ou destrói trabalho?

O potencial de relevância e impacto inovador de transformadores [veja A Grande Transformação dos Transformadores, em bit.ly/3iou4aO e ChatGPT is everywhere. Here’s where it came

A Grande Transformação dos Transformadores

Um transformador, na lembrança popular, era [ainda é] a série de filmes [Transformers, bit.ly/3Qp97cu] onde objetos inanimados, inconscientes e -só por acaso- alienígenas, que existiam

Começou o Governo. Cadê a Estratégia?

Estamos em 02/01/2023. Ontem foram as posses e os discursos. Hoje começam a trabalhar um novo Presidente da República, dezenas de ministros e ainda serão

23 anotações sobre 2023 [xxiii]

Este é o 23° de uma série de textos sobre o que pode acontecer, ou se tornar digno de nota, nos próximos meses e poucos

23 anotações sobre 2023 [xxii]

Este é o 22° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xxi]

Este é o 21° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xx]

Este é o 20° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xix]

Este é o 19° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xviii]

Este é o 18° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xvii]

Este é o 17° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xvi]

Este é o 16° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xv]

Este é o 15° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xiv]

Este é o décimo quarto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xiii]

Este é o décimo terceiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xii]

Este é o décimo segundo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xi]

Este é o décimo primeiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [x]

Este é o décimo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [ix]

Este é o nono de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [viii]

Este é o oitavo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [vii]

Este é o sétimo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [vi]

Este é o sexto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [v]

Este é o quinto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [iv]

Este é o quarto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [iii]

Este é o terceiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [ii]

Este é o segundo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [i]

Esta é uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar digno de nota,

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [ii]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [i]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

O Metaverso, Discado [4]

Este é o quarto post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor começar lendo o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g], que tem um link pro

O Metaverso, Discado [3]

Este é o terceiro post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor começar lendo o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g], que tem um link pro

O Metaverso, Discado [2]

Este é o segundo post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor ler o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g] antes de começar a ler este aqui. Se puder, vá lá, e volte aqui.

O Metaverso, Discado [1]

O metaverso vai começar “discado”. E isso é bom. Porque significa que vai ser criado e acontecer paulatinamente. Não vai rolar um big bang vindo

chega de reuniões

um ESTUDO de 20 empresas dos setores automotivo, metalúrgico, elétrico, químico e embalagens mostra que comportamentos disfuncionais em REUNIÕES [como fugir do tema, reclamar, criticar…

Definindo “o” Metaverso

Imagine o FUTEBOL no METAVERSO: dois times, A e B, jogam nos SEUS estádios, com SUAS bolas e SUAS torcidas. As BOLAS, cada uma num

Rupturas, atuais e futuras,
no Ensino Superior

Comparando as faculdades com outras organizações na sociedade,percebe-se que sua peculiaridade mais notável não é seu produto,mas a extensão em que são operadas por amadores.

O que é Estratégia?

A primeira edição do Tractatus Logico-Philosophicus [TLP] foi publicada há exatos 100 anos, no Annalen der Naturphilosophie, Leipzig, em 1921. Foi o único livro de

O Brasil Tem Futuro?

Uma das fases mais perigosas e certamente mais danosas para analisar e|ou entender o nosso país é a de que “O Brasil é o país

Os Velhos Envelopes, Digitais

Acho que o último envelope que eu recebi e não era um boleto data da década de 1990, salvo uma ou outra exceção, de alguém

Houston, nós temos um problema…

Este texto é uma transcrição editada de uma intervenção no debate “De 1822 a 2022 passando por 1922 e imaginando 2122: o salto [?] da

Pessoas, Games, Gamers, Cavalos…

Cartas de Pokémon voltaram à moda na pandemia e os preços foram para a estratosfera. Uma Charizard holográfica, da primeira edição, vale dezenas de milhares

As Redes e os Currais Algorítmicos

Estudos ainda limitados[1] sobre política e sociedade mostram que a cisão entre centro [ou equilíbrio] e anarquia [ou caos] é tão relevante quanto a divisão

O Trabalho, em Transição

Trabalho e emprego globais estão sob grande impacto da pandemia e da transformação digital da economia, em que a primeira é o contexto indesejado que

O ano do Carnaval que não houve

Dois mil e vinte e um será, para sempre, o ano do Carnaval que não houve. Quem sentirá na alma são os brincantes para quem

Rede, Agentes Intermediários e Democracia

Imagine um provedor de infraestrutura e serviços de informação tomando a decisão de não trabalhar para “um cliente incapaz de identificar e remover conteúdo que

21 anotações sobre 2021

1 pode até aparecer, no seu calendário, que o ano que vem é 2021. mas não: é 2025. a aceleração causada por covid19, segundo múltiplas

A Humanidade, em Rede

Redes. Pessoas, do mundo inteiro, colaborando. Dados, de milhares de laboratórios, hospitais, centros de pesquisa e sistemas de saúde, online, abertos, analisados por sistemas escritos

tecnologia e[m] crises

tecnologia, no discurso e entendimento contemporâneo, é o mesmo que tecnologias da informação e comunicação, TICs. não deveria ser, até porque uma ponte de concreto

o que aconteceu
no TSE ontem?

PELA PRIMEIRA VEZ em muitos anos, o BRASIL teve a impressão de que alguma coisa poderia estar errada no seu processo eleitoral, e isso aconteceu

CRIAR um TEMPO
para o FUTURO

em tempos de troca de era, há uma clara percepção de que o tempo se torna mais escasso. porque além de tudo o que fazíamos

Duas Tendências Irreversíveis, Agora

O futuro não acontece de repente, todo de uma vez. O futuro é criado, paulatinamente, por sinais vindos de lá mesmo, do futuro, por caminhos

futuro: negócios e
pessoas, figitais

em tempos de grandes crises, o futuro, às vezes mais do que o presente, é o centro das preocupações das pessoas, famílias, grupos, empresas e

bom senso & saber

uma pergunta que já deve ter passado pela cabeça de muita gente é… o que é o bom senso, e como é que a gente

uma TESE são “só” 5 coisas…

…e uma dissertação e um trabalho de conclusão de curso, também. este post nasceu de um thread no meu twitter, sumarizando perguntas que, durante a

os novos NORMAIS serão FIGITAIS

há muitas empresas achando que… “agora que COVID19 está passando, bora esquecer essa coisa de DIGITAL e trazer os clientes de volta pras lojas”… enquanto

Novas Formas de Pensar em Tempos Incertos

O HOMO SAPIENS anatomicamente moderno tem ceca de 200.000 anos. Há provas de que tínhamos amplo controle do fogo -talvez “a” tecnologia fundadora da humanidade-

Efeitos não biológicos de COVID19

A PARTIR do que já sabemos, quais os impactos e efeitos de médio e longo prazo da pandemia?… O que dizem as pesquisas, não sobre

APRENDER EM VELOCIDADE DE CRISE

TODOS OS NEGÓCIOS estiveram sob gigantesca pressão para fazer DUAS COISAS nas últimas semanas, quando cinco décadas de um processo de transformação digital que vinha,

UM ANTIVÍRUS para a HUMANIDADE

SARS-COV-2 é só um dos milhares de coronavírus que a ciência estima existir, ínfima parte dos 1,7 milhões de vírus desconhecidos que os modelos matemáticos

Mundo Injusto, Algoritmos Justos?

Se um sistema afeta a vida das pessoas, exige-se que seu comportamento seja justo. Pelo menos no que costumamos chamar de civilização. Ser justo é

Das nuvens, também chovem dados

Há uns meses, falamos de Três Leis da Era Digital, inspiradas nos princípios de Asimov para a Robótica. As Leis eram… 1ª: Deve-se proteger os

As Três Leis da Era Digital

Há setenta e oito anos, Isaac Asimov publicava a primeira versão do que todos conhecem como as Três Leis da Robótica[1]. A Primeira diz que

o apocalipse digital…

…segundo silvio meira, capítulo 55, versículo 2019, parágrafos 1 a 8. escrito em plena sexta-feira 13, num dos grupos de inovação [corporativa] mais animados e

por uma educação
“sem” distância

Uma versão editada do texto abaixo foi publicada no ESTADÃO em 28/08/2019, quando ninguém tinha a menor ideia de que toda a educação do país

uma classe para o brasil

este texto tem origem numa discussão [em grupos de zap, que depois se tornaram mesas de bar…] sobre o protagonismo do brasil em um particular cenário

Silvio Meira é cientista-chefe da TDS.company, professor extraordinário da CESAR.school e presidente do conselho do PortoDigital.org

contato@tds.company

Rua da Guia, 217, Porto Digital Recife.

tds.company
somos um negócio de levar negócios para o futuro, nosso objetivo é apoiar a transformação de negócios nascentes e legados nas jornadas de transição entre o presente analógico e o futuro digital.

strateegia
é uma plataforma colaborativa de estratégia digital para adaptação, evolução e transformação de negócios analógicos em plataformas e ecossistemas digitais, desenvolvido ao longo de mais de uma década de experiência no mercado e muitas na academia.