SILVIO MEIRA

na internet, o drama da TV

paul graham ajuda a criar novos negócios inovadores de crescimento empreendedor há tempos. está no Y combinator, acelerador de negócios por onde passam milhares propostas de criação de startups por ano. depois de um tempo no lugar dele, se desenvolve um sexto sentido para coisas que seriam um meganegócio mas que, por alguma razão, ninguém aparece com a proposta, ou, dizendo melhor, com uma proposta crível, combinada com uma capacidade de execução que pareça que vai criar um grande negócio. resultado? graham fez uma lista de negócios bilionários que ele [e mais todos os investidores do planeta] espera que alguém proponha.

o blog já tratou os primeiros três itens da lista, ["a próxima máquina de busca", "o substituto do emeio" e "e a universidade, já era?"] e este post é sobre o quarto, que graham chama de "internet drama". drama? sim, drama. graham diz que hollywood [como símbolo da indústria do audiovisual] ainda não absorveu a internet como a “nova” rede para conteúdo, capaz de fundir a criação [por todos] e distribuição [para todos] com interação [entre todos]. todos, aí, significa produtoras, redes e o que antes era público, que só podia trocar de canal, e agora é comunidade, que "foge" da TV a cada possibilidade de interação.

atenção parcial contínua nunca foi tão verdade quanto é agora, com muita gente –em breve, quase "todos"?- deixando de prestar atenção em mais de uma coisa ao mesmo tempo. mas mesmo com as evidências que estão em todos os estudos e pesquisas sobre o futuro da TV, ainda falta muito para que um novo espaço "mate" a TV. um infográfico famoso, "youTube killed TV", mostra o efeito que a rede social de vídeos teve sobre a TV, mas não consegue, frente a outras evidências, provar seu título, apesar de dados tão fortes como mostrados abaixo sobre o crescimento da atenção dedicada à plataforma.

image

não há dúvida que qualquer um que esteja competindo com uma coisa que cresce a taxas entre 50% [vídeos vistos por dia] e 200% [links para vídeos no youTube publicados no twitter, por minuto] por ano tem que se preocupar muito. mas olhe o gráfico abaixo, mostrando a evolução das horas de uso de mídia por dia nos EUA, quase o único mercado para o qual há dados históricos consistentes.

image

o tempo de atenção cumulativa [várias fluxos “de mídia” podem estar sendo foco de atenção ao mesmo tempo] da TV está em 40% do total entre 2008 e 2010. internet sobe, móvel sobe, mas TV fica nos mesmos 40%. e em 2011, comparado com 2010?

image

pela mesma métrica, TV ganhou mais 10 minutos de atenção –por dia- entre 2010 e 2011, a internet ganhou 12, móvel 15 [subiu 30%!] e jornais e revistas continuaram sua longa e penosa caminhada rumo ao cemitério das mídias. estes e outros gráficos estão neste link, de um debate sobre comunicação para disseminação versus conectividade para interação, na assembléia legislativa de pernambuco, esta semana.

mas ninguém ignora que o aumento de tempo "na TV" pode ser enganoso, com a tela grande cada vez mais como figurante, parte do cenário, enquanto as pequenas, nos smartphones, tablets, leitores digitais e laptops, exigem cada vez mais atenção real e participação direta daquele que antes, como espectador, só podia usar as mãos pra trocar de canal. e olha que ainda nem entendemos direito como interagir com as telas pequenas usando voz, gestos e o que mais.

o resultado é o que graham aponta como a grande oportunidade de negócios em entretenimento em muitas décadas: quem [a rede que] entender como redesenhar a experiência de “ver” [qual será o “novo ver”?…] TV e sair bem na frente [e isso não parece com o próprio youTube, netflix ou hulu, claro] terá descoberto e começará a explorar uma das maiores minas de ouro do mundo virtual. mas quem, onde e como?

salustiano fagundes, CEO e fundador [2007] da HXD interactive TV, está pensando e fazendo o futuro da TV, no brasil, desde o começo do SBTVD, o sistema brasileiro de TV digital. técnico com grande experiência, salustiano aposta o futuro de sua empresa na convergência e interatividade da TV e, há tempos, está no centro do que se faz sobre isso no brasil e do que pode ser feito daqui para o mundo. a ele, o blog perguntou: qual a possibilidade de um substituto ou evolução da TV sair do brasil, do ponto de vista: 1. cientifico, 2. técnico e 3. de empreendedorismo e investimento?

segundo salustiano…

Não tem mais como ignorarmos que a televisão é uma indústria em processo de ruptura. Lembro que há alguns anos atrás li uma frase do apresentador Sílvio Santos que achei muito marcante. Ao comentar sobre a queda de audiência que os programas televisivos vêm sofrendo historicamente, ele dizia ter descoberto o motivo: “Estou perdendo audiência porque o meu público está envelhecendo e morrendo”.

Quando comecei a me envolver de perto com as tecnologias de TV digital em 2006, procurando encontrar o lugar do software em um novo ecossistema que estava se formando com a implantação do Sistema Brasileiro de TV Digital Terrestre (SBTVDT), eu não fazia ideia de que a revolução que estava acontecendo ao meu redor era ainda maior.

Uma nova televisão estava de fato surgindo e ela ia muito além de especificações técnicas, pois a digitalização da televisão trouxe à tona uma mudança profunda, que impacta na forma como se cria, se produz, se transmite e se assiste conteúdos nas TVs.

Em seu livro “The Television Will Be Revoluzionized”, Amanda Lotz descreve que como resultado do impacto dessa transformação “podemos continuar assistindo televisão, mas as novas tecnologias implicam em novos rituais de uso”. A nova experiência televisiva será cada vez mais personalizada e compartilhada por pessoas que trocam informações sobre os seus conteúdos favoritos através de espaços online, criando relacionamentos significativos.

A televisão está mudando porque o perfil das audiências está mudando. Nos EUA, estudo da Strategy Analytics no final de 2011 constatou que 13% dos assinantes de TVs pagas planejam cancelá-la nos próximos 12 meses, o que corresponderia a aproximadamente 13 milhões de assinaturas em uma base 100 milhões.

E o que farão essas pessoas? Alguns poderão até chegar ao extremo de fixarem iMacs na parede, como Paul Graham fez, mas o fato é que a maioria usará cada vez mais serviços como Netflix (que já chegou 23.000.000 de usuários no mundo), Hulu, Amazon, Apple TV e outros que nesse instante estão sendo criados em milhares de startups ao redor do mundo.

O ponto chave dessa mudança é que as pessoas, principalmente as audiências jovens, não assistirão mais apenas “programas de televisão”. Elas acessarão “conteúdos”, nos horários e dispositivos que quiserem.

Embora os conteúdos analógicos ainda sejam a maior fonte de receita das empresas de mídia e entretenimento, o consumo desse tipo de conteúdo tende a diminuir nos próximos anos. De acordo com pesquisa da Global Entertainment & Media Outlook (2011), o desembolso dos consumidores em conteúdos digitais crescerá em média 17% ao ano, enquanto o investimento em conteúdo analógico crescerá apenas 3%.

 

Aos poucos essa revolução digital também está chegando à sala de estar dos brasileiros e a maior parte das emissoras, operadoras e produtores de conteúdos televisivos não se prepararam para isso.

Cerca de 40% dos televisores de tela plana fabricados no Brasil nesse ano serão conectáveis a internet, podendo acessar apps de VOD, games etc. Somado aos cerca de 23% de televisores que já foram fabricados no ano passado com esse recurso, chegaremos a uma base de aproximadamente 6 milhões de smart TVs no país. Um número bem expressivo para quem pretende explorar o potencial desse novo mercado.

Mas tudo isso não significa que a televisão como conhecemos hoje irá morrer, assim como o rádio também não morreu. Porém, como Sílvio Santos percebeu muito bem, quem irá morrer será a audiência que assiste o formato televisivo atual.

E qual a possibilidade desse substituto/evolução da TV vir do Brasil?

Do ponto de vista científico e técnico acredito que o país tem uma ótima base para promover inovação no setor. Não é por acaso que o Brasil lidera o processo de desenvolvimento da TV digital no continente, graças às contribuições trazidas das nossas instituições de pesquisa ao padrão japonês (ISDB-T), sobretudo no que se refere ao middleware Ginga. Aprovado como padrão para IPTV pela União Internacional de Telecomunicações, o Ginga atravessou fronteiras (não somente físicas) e abriu oportunidades para empresas brasileiras de software.

A minha experiência com o Ginga foi muito interessante, pois como se sabe a esperada interatividade na TV digital aberta não aconteceu de fato, devido a um conjunto de fatores de natureza técnica, comercial e política. Entender tais fatores foi importante para que eu percebesse a natureza da revolução que estava em curso.

Recentemente, o Governo publicou portaria sobre o Processo Produtivo Básico (PPB) para TVs, estabelecendo que 75% das TVs com tela de cristal líquido produzidos no Brasil tenha o middleware Ginga instalado e funcional ao fim de 2013. A iniciativa foi importante, mas é provável que tenha chegado tarde demais.

A interatividade na TV não esperou pelo Ginga e já começou [aqui no blog, leia TV digital: governo perdeu as rédeas do processo]. Na nova televisão não existe um padrão predominante, mas vários competindo entre si. Ela está evoluindo em um ecossistema de múltiplas plataformas onde Smart TVs, Tablets, OTTs, Smartphones e Redes Sociais estão sendo instrumentos de uma mudança que está tornando a experiência televisiva cada vez mais atrativa e participativa.

E o que vamos ter para oferecer da experiência brasileira nesse novo contexto da televisão? Só o conhecimento/reconhecimento técnico é suficiente para nos inserir como parte dessa revolução?

Para entendermos onde estamos, é importante constatar que quase 5 anos depois do início das transmissões digitais, a interatividade ainda é um tema tratado apenas pelas equipes técnicas das emissoras, sem envolvimento de outras áreas como as de produção de conteúdo, marketing e comercial.

No caso do Ginga o pouco conteúdo interativo que é hoje transmitido não é sequer divulgado para o público e é produzido dentro das próprias emissoras, baseados excessivamente no uso de templates. Apostar no sucesso da interatividade em um modelo fechado, que não envolva outros atores do mercado para trazer novas ideias e experiências é um caminho muito arriscado.

As emissoras públicas podiam ter dado um impulso logo de saída para a difusão do Ginga, inserindo-o dentro de uma estratégia de inclusão para levar serviços de governo às populações de baixa renda. Mas enquanto discutíamos o que fazer com o middleware, a Argentina tomou a dianteira e construiu um case nessa área que hoje está sendo oferecido como referência para países como a Venezuela. Se por um lado sobram boas intenções nas TVs públicas, por outro faltam recursos para os investimentos na infraestrutura necessária para promover ações desse tipo.

Mas afinal, só chutamos bola fora?

Não quero parecer pessimista. Muito pelo contrário, acredito que ainda podemos virar esse jogo e fazer ótimos gols.

Nesse momento já temos empresas que perceberam que o X (ou o Y) da questão não está somente nas plataformas tecnológicas- que estão ficando muito próximas entre si em termos de recursos – e preparam produtos e serviços que podem nos colocar novamente no radar desse mercado digital bilionário para onde as mídias irão convergir.

E o que eles perceberam foi a importância dos conteúdos em todo esse processo. Em um país que habituado a ganhar prêmios internacionais pela sua criatividade e talento em diversas áreas, essa é uma matéria-prima importantíssima que temos ao nosso dispor e precisamos aprender a usar.

E é aí, nas raízes profundas desse povo alegre, criativo, de uma cultura miscigenada e viva, que pode sair afinal o nosso diferencial para o mundo.

múltiplas plataformas, padrões abertos e globais, mudanças radicais na forma de produzir conteúdo –para interatividade-, rede de alta penetração e boa qualidade, ecologia de produção e mercados de conteúdo e aplicações, criatividade, inovação, empreendedorismo em alta velocidade, tudo ao mesmo tempo agora.

lá no começo, patinamos com o auxílio luxuoso do governo federal. agora, brasília voltou à baila, mas pode ser tarde demais, como disse salustiano. aí é olhar pro mundo, formar redes, descobrir o que dá pra fazer daqui e fazer. tomara que muita gente como salustiano consiga, pois somos um mercado de TV grande demais para sermos apenas consumidores de tecnologia.

Outros posts

EFEITOS de REDE

Este post é um índice de leitura dos textos da série “Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais”, com a co-autoria de André Neves. O texto

O Risco dos Manifestos

Um manifesto é sempre algo [muito] arriscado. Porque um manifesto expressa uma insatisfação com a realidade estabelecida, imediata, ao nosso redor. Um manifesto  não é

IA, no blog: Sugestões de Leitura

Se você está procurando textos sobre IA por aqui… Comece pela série E AÍ… IA: o primeiro texto, Introdução, está no link… tinyurl.com/2zndpt3r; o segundo,

E AÍ… IA [III]

Mas IA, de onde vem, pra onde vai?…   No futuro, há três tipos de inteligência: individual, social e artificial. E as três já são

E AÍ… IA [II]

Trabalho, Emprego e IA   Há uma transformação profunda do trabalho e da produção, como parte da transformação figital dos mercados, da economia e da

EFEITOS DE REDE E ECOSSISTEMAS FIGITAIS [XV]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

E AÍ, IA… [I]

IA fará com que todos sejam iguais em sua capacidade de serem desiguais. É o maior paradoxo desde que Yogi Berra disse… ‘Ninguém mais vai

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [XII]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [xi]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [x]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [ix]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [vi]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [v]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [iv]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

chatGPT: cria ou destrói trabalho?

O potencial de relevância e impacto inovador de transformadores [veja A Grande Transformação dos Transformadores, em bit.ly/3iou4aO e ChatGPT is everywhere. Here’s where it came

A Grande Transformação dos Transformadores

Um transformador, na lembrança popular, era [ainda é] a série de filmes [Transformers, bit.ly/3Qp97cu] onde objetos inanimados, inconscientes e -só por acaso- alienígenas, que existiam

Começou o Governo. Cadê a Estratégia?

Estamos em 02/01/2023. Ontem foram as posses e os discursos. Hoje começam a trabalhar um novo Presidente da República, dezenas de ministros e ainda serão

23 anotações sobre 2023 [xxiii]

Este é o 23° de uma série de textos sobre o que pode acontecer, ou se tornar digno de nota, nos próximos meses e poucos

23 anotações sobre 2023 [xxii]

Este é o 22° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xxi]

Este é o 21° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xx]

Este é o 20° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xix]

Este é o 19° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xviii]

Este é o 18° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xvii]

Este é o 17° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xvi]

Este é o 16° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xv]

Este é o 15° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xiv]

Este é o décimo quarto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xiii]

Este é o décimo terceiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xii]

Este é o décimo segundo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xi]

Este é o décimo primeiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [x]

Este é o décimo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [ix]

Este é o nono de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [viii]

Este é o oitavo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [vii]

Este é o sétimo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [vi]

Este é o sexto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [v]

Este é o quinto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [iv]

Este é o quarto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [iii]

Este é o terceiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [ii]

Este é o segundo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [i]

Esta é uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar digno de nota,

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [ii]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [i]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

O Metaverso, Discado [4]

Este é o quarto post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor começar lendo o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g], que tem um link pro

O Metaverso, Discado [3]

Este é o terceiro post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor começar lendo o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g], que tem um link pro

O Metaverso, Discado [2]

Este é o segundo post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor ler o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g] antes de começar a ler este aqui. Se puder, vá lá, e volte aqui.

O Metaverso, Discado [1]

O metaverso vai começar “discado”. E isso é bom. Porque significa que vai ser criado e acontecer paulatinamente. Não vai rolar um big bang vindo

chega de reuniões

um ESTUDO de 20 empresas dos setores automotivo, metalúrgico, elétrico, químico e embalagens mostra que comportamentos disfuncionais em REUNIÕES [como fugir do tema, reclamar, criticar…

Definindo “o” Metaverso

Imagine o FUTEBOL no METAVERSO: dois times, A e B, jogam nos SEUS estádios, com SUAS bolas e SUAS torcidas. As BOLAS, cada uma num

Rupturas, atuais e futuras,
no Ensino Superior

Comparando as faculdades com outras organizações na sociedade,percebe-se que sua peculiaridade mais notável não é seu produto,mas a extensão em que são operadas por amadores.

O que é Estratégia?

A primeira edição do Tractatus Logico-Philosophicus [TLP] foi publicada há exatos 100 anos, no Annalen der Naturphilosophie, Leipzig, em 1921. Foi o único livro de

O Brasil Tem Futuro?

Uma das fases mais perigosas e certamente mais danosas para analisar e|ou entender o nosso país é a de que “O Brasil é o país

Os Velhos Envelopes, Digitais

Acho que o último envelope que eu recebi e não era um boleto data da década de 1990, salvo uma ou outra exceção, de alguém

Houston, nós temos um problema…

Este texto é uma transcrição editada de uma intervenção no debate “De 1822 a 2022 passando por 1922 e imaginando 2122: o salto [?] da

Pessoas, Games, Gamers, Cavalos…

Cartas de Pokémon voltaram à moda na pandemia e os preços foram para a estratosfera. Uma Charizard holográfica, da primeira edição, vale dezenas de milhares

As Redes e os Currais Algorítmicos

Estudos ainda limitados[1] sobre política e sociedade mostram que a cisão entre centro [ou equilíbrio] e anarquia [ou caos] é tão relevante quanto a divisão

O Trabalho, em Transição

Trabalho e emprego globais estão sob grande impacto da pandemia e da transformação digital da economia, em que a primeira é o contexto indesejado que

O ano do Carnaval que não houve

Dois mil e vinte e um será, para sempre, o ano do Carnaval que não houve. Quem sentirá na alma são os brincantes para quem

Rede, Agentes Intermediários e Democracia

Imagine um provedor de infraestrutura e serviços de informação tomando a decisão de não trabalhar para “um cliente incapaz de identificar e remover conteúdo que

21 anotações sobre 2021

1 pode até aparecer, no seu calendário, que o ano que vem é 2021. mas não: é 2025. a aceleração causada por covid19, segundo múltiplas

A Humanidade, em Rede

Redes. Pessoas, do mundo inteiro, colaborando. Dados, de milhares de laboratórios, hospitais, centros de pesquisa e sistemas de saúde, online, abertos, analisados por sistemas escritos

tecnologia e[m] crises

tecnologia, no discurso e entendimento contemporâneo, é o mesmo que tecnologias da informação e comunicação, TICs. não deveria ser, até porque uma ponte de concreto

o que aconteceu
no TSE ontem?

PELA PRIMEIRA VEZ em muitos anos, o BRASIL teve a impressão de que alguma coisa poderia estar errada no seu processo eleitoral, e isso aconteceu

CRIAR um TEMPO
para o FUTURO

em tempos de troca de era, há uma clara percepção de que o tempo se torna mais escasso. porque além de tudo o que fazíamos

Duas Tendências Irreversíveis, Agora

O futuro não acontece de repente, todo de uma vez. O futuro é criado, paulatinamente, por sinais vindos de lá mesmo, do futuro, por caminhos

futuro: negócios e
pessoas, figitais

em tempos de grandes crises, o futuro, às vezes mais do que o presente, é o centro das preocupações das pessoas, famílias, grupos, empresas e

bom senso & saber

uma pergunta que já deve ter passado pela cabeça de muita gente é… o que é o bom senso, e como é que a gente

uma TESE são “só” 5 coisas…

…e uma dissertação e um trabalho de conclusão de curso, também. este post nasceu de um thread no meu twitter, sumarizando perguntas que, durante a

os novos NORMAIS serão FIGITAIS

há muitas empresas achando que… “agora que COVID19 está passando, bora esquecer essa coisa de DIGITAL e trazer os clientes de volta pras lojas”… enquanto

Novas Formas de Pensar em Tempos Incertos

O HOMO SAPIENS anatomicamente moderno tem ceca de 200.000 anos. Há provas de que tínhamos amplo controle do fogo -talvez “a” tecnologia fundadora da humanidade-

Efeitos não biológicos de COVID19

A PARTIR do que já sabemos, quais os impactos e efeitos de médio e longo prazo da pandemia?… O que dizem as pesquisas, não sobre

APRENDER EM VELOCIDADE DE CRISE

TODOS OS NEGÓCIOS estiveram sob gigantesca pressão para fazer DUAS COISAS nas últimas semanas, quando cinco décadas de um processo de transformação digital que vinha,

UM ANTIVÍRUS para a HUMANIDADE

SARS-COV-2 é só um dos milhares de coronavírus que a ciência estima existir, ínfima parte dos 1,7 milhões de vírus desconhecidos que os modelos matemáticos

Mundo Injusto, Algoritmos Justos?

Se um sistema afeta a vida das pessoas, exige-se que seu comportamento seja justo. Pelo menos no que costumamos chamar de civilização. Ser justo é

Das nuvens, também chovem dados

Há uns meses, falamos de Três Leis da Era Digital, inspiradas nos princípios de Asimov para a Robótica. As Leis eram… 1ª: Deve-se proteger os

As Três Leis da Era Digital

Há setenta e oito anos, Isaac Asimov publicava a primeira versão do que todos conhecem como as Três Leis da Robótica[1]. A Primeira diz que

Silvio Meira é cientista-chefe da TDS.company, professor extraordinário da CESAR.school e presidente do conselho do PortoDigital.org

contato@tds.company

Rua da Guia, 217, Porto Digital Recife.

tds.company
somos um negócio de levar negócios para o futuro, nosso objetivo é apoiar a transformação de negócios nascentes e legados nas jornadas de transição entre o presente analógico e o futuro digital.

strateegia
é uma plataforma colaborativa de estratégia digital para adaptação, evolução e transformação de negócios analógicos em plataformas e ecossistemas digitais, desenvolvido ao longo de mais de uma década de experiência no mercado e muitas na academia.