…e as nossas: um grupo de americanos que ganha, em média, US$250K por ano [pense em perto de R$40K por mes…] respondeu a uma pesquisa sobre seus hábitos de uso de apps [aplicações que podem ser carregadas, normalmente a partir de um mercado online] nos seus smartphones e a resposta está nos dois gráficos abaixo.

no primeiro se mostra os downloads: que apps foram parar no smartphone dos ricos? previsão de tempo e notícias estão no topo da lista, seguidos por jogos, viagens e negócios e finanças. faz todo sentido: ricos tendem a viajar muito [travel + weather] e estar preocupados com notícias, negócios e dinheiro. se não fosse assim, talvez não fossem ricos.

 image

o histograma acima mostra o que é carregado nos smartphones de quem ganha muito; o próximo mostra o que, na prática, eles usam muito:

image

os ricos se preocupam mesmo com a previsão do tempo, notícias, finanças e, logo depois, com redes sociais e jogos.

agora veja a tabela abaixo, de junho passado [com dados de abril; note que os dados acima são de setembro], mostrando o número total de usuários, nos EUA [mesmo espaço da pesquisa anterior] por tipo de aplicação:

image

conclusão?… tirante o fato de que os mortais comuns parecem ter uma maior tendência à socialização, o uso que os ricos fazem das aplicações nos seus smartphones é muito parecido. em número de usuários únicos, as apps de previsão do tempo passaram, no total, as redes sociais.

a combinação matadora [a verdadeira “killer app”] parece combinar mapas, sobre os quais se adiciona uma camada de previsão de tempo, uma de notícias e finanças e a partir da qual se pode lidar direto com seu banco. tudo isso geolocalizado e, claro, funcionando como uma rede social.

por outro lado… parece que uma app que “resolve tudo” não resolve nada e ninguém quer usar. melhor assim, talvez, segmentado por app

mas bem que, lá atrás, no software como serviço que sustenta, no fundo, o funcionamento da app que usamos cá na frente, podia estar integrado. talvez aí sim, esteja o espírito do verdadeiro killer app, tanto para os que ganham muito quanto para os que não ganham tanto assim…