amanda boxtel, no vídeo abaixo, mostra como usar o exoesqueleto parcial eLegs, da berkeley bionics, para se livrar da cadeira de rodas pela primeira vez em 18 anos. há um monte de coisas para ser descrito e discutido sobre a tecnologia [de origem militar, por sinal] mas o vídeo diz tudo.

ou quase tudo, porque em verdade é apenas um dos começos do uso de computação, comunicação e controle [C3, mas pode chamar, neste caso, de “robótica”] para resolver problemas muito complexos no bodyscape [leia mais sobre este conceito e outros, associados a ele, neste link].

veja o vídeo. o preço destas coisas vai chegar no nível do SUS em poucos anos. pena, aliás, que haja tão pouca expertise em robótica no brasil e tão pouco fomento para o desenvolvimento de tecnologias como as que podem fazer amanda e tanta gente anônima de novo, andar.