SILVIO MEIRA

smartX: as oportunidades e os riscos [2]

no primeiro texto desta série, abrimos a cortina para um mundo de coisas que têm componentes que podem ser associados às tecnologias de computação, comunicação e controle. este cenário, que pode ser visto como uma generalização da informática aplicada a instituições [os sistemas de informação do seu banco] e pessoas [as interfaces, ou aplicações, e dispositivos que conectam você ao seu banco], engloba quase tudo o que existe ao nosso redor e [ainda] não é informatizado, da porta da sua casa até seu travesseiro, passando pelos tijolos, piso e a cerâmica que recobre seu prédio, o prédio como um todo, as ruas, do pavimento aos sinais, postes e lâmpadas da iluminação pública… até as cidades e seus sistemas de água, força e todos os componentes deles. junte tudo e bote no mesmo contexto e dê, a isso tudo, o nome de internet das coisas, um universo povoado pelos objetos que no título da série chamamos de smartX e olhe o gráfico abaixo.

image

este gráfico é a última versão do que o gartner group poderia chamar, em português, de um mapeamento de expectativas do futuro para tecnologias emergentes de hoje em dia. ou seja, olhando para o que está para se tornar prático, no curto [no máximo 5 anos], médio [5 a 10 anos] e longo prazos [mais de 10 anos…] o que as empresas acham que vai dar certo, ou, na prática, que tecnologias, depois de passar pelos seus múltiplos estágios de concepção, desenvolvimento, protótipo, testes e pilotos, serão usadas, no mercado, para aumentar a produtividade dos negócios e das pessoas [neles e fora deles]?…

o topo da expectativa, agora, o “1” anotado no gráfico, é a internet das coisas. e há coisas [ver setas 2, 3, 4] que são parte da internet das coisas [comunicação entre “máquinas”, veículos autônomos e robôs “espertos”] que estão em variadas posições no gráfico. veículos autônomos estão perto do pico das expectativas, os robôs espertos [que fazem coisas parecidas com o que humanos fazem em linhas de produção sofisticadas] estão na transição entre parecerem radicais demais e começarem a se tornar uma expectativa de todos… mas serviços de comunicação entre “máquinas” [entenda “coisas”] estão no fosso da desilusão, porque estamos entendendo, agora, as dificuldades de fazer com que todo tipo de coisa se comunique [se “entenda”], algo que achávamos que era trivial há alguns anos, mas que é muito difícil de resolver de forma homogênea, racional e universal. e não poderia ser de outra forma: lembre-se que, mais de um século depois da introdução dos automóveis, ainda não chegamos num padrão universal sobre em que lado da rua se dirige e em qual lado do carro deveria estar a direção.

ocorre que carros estão limitados a geografias e coisas, em rede, não. ou estão? será que eu não deveria poder abrir a porta da minha casa [se ela estivesse na web…], com uma chave digital virtual, lá do japão?… e com a chave digital “rodando” no meu smartphone? e, ainda mais radicalmente, “só” no meu smartphone e, talvez, no de quem mais “só” eu autorizasse?… pra que isso seja possível, que condições devem ser obedecidas e como a infraestrutura e serviços, na rede, têm que funcionar para que minha aplicação faça o que deve fazer?…

pois é: como você vê na figura acima, enquanto temos as maiores expectativas do mundo para os próximos 5 a 10 anos para a internet das coisas, estamos achando que elas ainda têm graves, dificílimos problemas pra se comunicarem efetivamente e, quase como sempre, nos estágios anteriores da evolução virtual, agora é que há um princípio de preocupação e expectativa sobre segurança digital, como aponta a seta 5 do gráfico acima. e a gente já viveu o suficiente pra saber que isso não é bom… porque uma coisa é um visitante indesejado invadir a minha conta bancária… para o que o banco tem que pagar o prejuízo, porque ele é o depositário dos meu [e do seu] dinheiro, e tem um monte de recursos pra cuidar da segurança desta informação [dinheiro, lembre, é só informação] e outra coisa, muito mais radical… é um carinha descobrir como entra, e literalmente, na sua casa, e entrar de verdade ou vender a informação de como entrar pra quem quer fazer isso, seja lá por qual for a razão.

quantas chaves virtuais você terá, pra abrir, fechar, conseguir autorização de uso para as coisas que estarão na sua internet das coisas? uma, poucas, muitas? do ponto de vista físico, nenhuma? porque o cartão de crédito, todo moderno, com chip, é físico; as transações são digitais, mas a coisa é física. e, quando você estiver com sua chave digital no japão e for abrir sua sala no porto digital, em recife, qual é o risco, e não só de segurança, mas operacional, das infraestruturas e serviços que fazem sua aplicação [a “chave”…] funcionar não estarem disponíveis, ou estarem corrompidas… bem na hora que você precisar? pois é. perguntas, perguntas. a curva de expectativas do gartner, em 2012, há meros 2 anos, nem mencionava riscos e a internet das coisas estava na subida da ladeira da tecnologia e no horizonte de mais de 10 anos para se tornar produtiva, ou seja, para ter efeito na vida dos negócios e das pessoas. image

se você procurar, verá que as coisas não estavam no mapa em 2010. na última década, a atividade criativa ao redor da internet das coisas foi muito intensa, aumentando significativamente a partir de 2011, segundo um estudo do IOT, escritório de propriedade intelectual inglês. o grau de interesse dos laboratórios de pesquisa e desenvolvimento na internet das coisas é mostrado abaixo, em número de patentes solicitadas por ano…

image

…e uma das imagens do relatório [que trata 20.000 patentes depositadas entre 2014 e 2013] mostra de quem vamos comprar spimeware e, de resto, coisas em rede daqui pra frente, se o gartner souber o que está dizendo com seus mapas.

image

mas tergiverso e, se brincar, daqui a pouco vou dizer [e mostrar porque] não haverá empresas brasileiras de classe mundial na internet das coisas [você imagina por que?…]. melhor falar, agora, do que o mundo acha que serão os benefícios de um universo digital em rede, que ao invés de travar inovação, libertaria uma vasta quantidade de energia criativa, produtiva… na internet das coisas. mais de 1.600 experts, entrevistados pelo pewResearch internet project, responderam à pergunta…`

…à medida em que bilhões de dispositivos, acessórios e artefatos se conectarem, será que a internet das coisas terá amplos e benéficos efeitos no dia-a-dia das pessoas em 2025?…

nada menos que 87% dos experts responderam sim, e 13% disseram que não. mesmo entre quem disse não, quase todos concordam que mas objetos, eletrodomésticos, carros e muito do que está ao redor se conectará. a dúvida, deles, é se haverá amplos e benéficos efeitos no dia-a-dia das pessoas. a pergunta que estes 13% talvez estejam fazendo é… por que, ao invés de fazer uma internet das coisas pelas coisas, não fazemos uma internet das coisas para as pessoas?… a evolução tecnológica, historicamente, é contaminada pela pressa que impomos ao próprio desenvolvimento e aplicação da tecnologia na solução de nossos problemas. isso, como o contexto que envolve carro pessoal, combustíveis fósseis, infraestrutura urbana, riscos humanos mostra, não é o que deveríamos querer, mas é mais ou menos o que sempre acontece em qualquer cenário e que tentamos, depois do caos instalado, corrigir.

será que o aparecimento, do quase nada [lembre-se, internet das coisas não estava no hype cycle do gartner em 2010], desta nova e inovadora plataforma de compatibilidade vai mudar tanta coisa quanto os experts indicam?é correto dizer que coisas em rede, C3, ou computação, comunicação e controle para habilitar serviços, feito por coisas [para pessoas?] não é só uma evolução de pessoas em rede [C2, computação e comunicação para conectividade, relacionamento e interação, base para a criação de significados entre humanos], mas será que vai mudar tudo e tanto a ponto da gente ter que se preocupar com os impactos, especialmente para pessoas?

sim, a resposta é um claro sim. até porque este impacto está  li na esquina, 5 a 10 anos são quase nada do ponto de vista social, e talvez seja tarde para advogar um começo mais social do que técnico para smartX, mas dong-hee shin [em A socio-technical framework for Internet-of-Things design: A human-centered design for the Internet of Things] faz exatamente isso. e defende desde educação em smartX, para muitos, senão todos, para habilitar usos pessoais e sociais amplos das novas tecnologias já na largada da revolução, até a intervenção governamental para não deixar que smartX, na coréia [espaço geográfico estudado no artigo] se torne mais uma tecnologia que, no começo, mais separa do que aproxima camadas de renda e conhecimento na sociedade. este é sempre um risco nas revoluções tecnológicas: quem está escrevendo a mudança [o que neste contexto é algo quase literal, pois a maior parte de smartX é software], sai muito na frente dos outros e tende a continuar na frente, em tudo, inclusive nos retornos sobre investimento.

enquanto este problema não chega de vez, e pra todo mundo que não está escrevendo a mudança, dê uma olhada num desenho de um dos possíveis cenários para a internet das coisas e smartX

image

…e veja um vídeo sobre um smartX muito maior do que quase todo mundo imagina: ao invés de pequenas e quase invisíveis coisas embutidas noutros sistemas, estamos falando de uma bike muito esperta… veja. e até  nosso próximo texto.

Outros posts

E AÍ… IA [II]

Trabalho, Emprego e IA   Há uma transformação profunda do trabalho e da produção, como parte da transformação figital dos mercados, da economia e da

EFEITOS DE REDE E ECOSSISTEMAS FIGITAIS [XV]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

E AÍ, IA… [I]

IA fará com que todos sejam iguais em sua capacidade de serem desiguais. É o maior paradoxo desde que Yogi Berra disse… ‘Ninguém mais vai

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [XII]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [xi]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [x]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [ix]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [vi]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [v]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [iv]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

chatGPT: cria ou destrói trabalho?

O potencial de relevância e impacto inovador de transformadores [veja A Grande Transformação dos Transformadores, em bit.ly/3iou4aO e ChatGPT is everywhere. Here’s where it came

A Grande Transformação dos Transformadores

Um transformador, na lembrança popular, era [ainda é] a série de filmes [Transformers, bit.ly/3Qp97cu] onde objetos inanimados, inconscientes e -só por acaso- alienígenas, que existiam

Começou o Governo. Cadê a Estratégia?

Estamos em 02/01/2023. Ontem foram as posses e os discursos. Hoje começam a trabalhar um novo Presidente da República, dezenas de ministros e ainda serão

23 anotações sobre 2023 [xxiii]

Este é o 23° de uma série de textos sobre o que pode acontecer, ou se tornar digno de nota, nos próximos meses e poucos

23 anotações sobre 2023 [xxii]

Este é o 22° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xxi]

Este é o 21° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xx]

Este é o 20° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xix]

Este é o 19° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xviii]

Este é o 18° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xvii]

Este é o 17° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xvi]

Este é o 16° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xv]

Este é o 15° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xiv]

Este é o décimo quarto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xiii]

Este é o décimo terceiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xii]

Este é o décimo segundo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xi]

Este é o décimo primeiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [x]

Este é o décimo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [ix]

Este é o nono de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [viii]

Este é o oitavo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [vii]

Este é o sétimo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [vi]

Este é o sexto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [v]

Este é o quinto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [iv]

Este é o quarto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [iii]

Este é o terceiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [ii]

Este é o segundo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [i]

Esta é uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar digno de nota,

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [ii]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [i]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

O Metaverso, Discado [4]

Este é o quarto post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor começar lendo o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g], que tem um link pro

O Metaverso, Discado [3]

Este é o terceiro post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor começar lendo o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g], que tem um link pro

O Metaverso, Discado [2]

Este é o segundo post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor ler o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g] antes de começar a ler este aqui. Se puder, vá lá, e volte aqui.

O Metaverso, Discado [1]

O metaverso vai começar “discado”. E isso é bom. Porque significa que vai ser criado e acontecer paulatinamente. Não vai rolar um big bang vindo

chega de reuniões

um ESTUDO de 20 empresas dos setores automotivo, metalúrgico, elétrico, químico e embalagens mostra que comportamentos disfuncionais em REUNIÕES [como fugir do tema, reclamar, criticar…

Definindo “o” Metaverso

Imagine o FUTEBOL no METAVERSO: dois times, A e B, jogam nos SEUS estádios, com SUAS bolas e SUAS torcidas. As BOLAS, cada uma num

Rupturas, atuais e futuras,
no Ensino Superior

Comparando as faculdades com outras organizações na sociedade,percebe-se que sua peculiaridade mais notável não é seu produto,mas a extensão em que são operadas por amadores.

O que é Estratégia?

A primeira edição do Tractatus Logico-Philosophicus [TLP] foi publicada há exatos 100 anos, no Annalen der Naturphilosophie, Leipzig, em 1921. Foi o único livro de

O Brasil Tem Futuro?

Uma das fases mais perigosas e certamente mais danosas para analisar e|ou entender o nosso país é a de que “O Brasil é o país

Os Velhos Envelopes, Digitais

Acho que o último envelope que eu recebi e não era um boleto data da década de 1990, salvo uma ou outra exceção, de alguém

Houston, nós temos um problema…

Este texto é uma transcrição editada de uma intervenção no debate “De 1822 a 2022 passando por 1922 e imaginando 2122: o salto [?] da

Pessoas, Games, Gamers, Cavalos…

Cartas de Pokémon voltaram à moda na pandemia e os preços foram para a estratosfera. Uma Charizard holográfica, da primeira edição, vale dezenas de milhares

As Redes e os Currais Algorítmicos

Estudos ainda limitados[1] sobre política e sociedade mostram que a cisão entre centro [ou equilíbrio] e anarquia [ou caos] é tão relevante quanto a divisão

O Trabalho, em Transição

Trabalho e emprego globais estão sob grande impacto da pandemia e da transformação digital da economia, em que a primeira é o contexto indesejado que

O ano do Carnaval que não houve

Dois mil e vinte e um será, para sempre, o ano do Carnaval que não houve. Quem sentirá na alma são os brincantes para quem

Rede, Agentes Intermediários e Democracia

Imagine um provedor de infraestrutura e serviços de informação tomando a decisão de não trabalhar para “um cliente incapaz de identificar e remover conteúdo que

21 anotações sobre 2021

1 pode até aparecer, no seu calendário, que o ano que vem é 2021. mas não: é 2025. a aceleração causada por covid19, segundo múltiplas

A Humanidade, em Rede

Redes. Pessoas, do mundo inteiro, colaborando. Dados, de milhares de laboratórios, hospitais, centros de pesquisa e sistemas de saúde, online, abertos, analisados por sistemas escritos

tecnologia e[m] crises

tecnologia, no discurso e entendimento contemporâneo, é o mesmo que tecnologias da informação e comunicação, TICs. não deveria ser, até porque uma ponte de concreto

o que aconteceu
no TSE ontem?

PELA PRIMEIRA VEZ em muitos anos, o BRASIL teve a impressão de que alguma coisa poderia estar errada no seu processo eleitoral, e isso aconteceu

CRIAR um TEMPO
para o FUTURO

em tempos de troca de era, há uma clara percepção de que o tempo se torna mais escasso. porque além de tudo o que fazíamos

Duas Tendências Irreversíveis, Agora

O futuro não acontece de repente, todo de uma vez. O futuro é criado, paulatinamente, por sinais vindos de lá mesmo, do futuro, por caminhos

futuro: negócios e
pessoas, figitais

em tempos de grandes crises, o futuro, às vezes mais do que o presente, é o centro das preocupações das pessoas, famílias, grupos, empresas e

bom senso & saber

uma pergunta que já deve ter passado pela cabeça de muita gente é… o que é o bom senso, e como é que a gente

uma TESE são “só” 5 coisas…

…e uma dissertação e um trabalho de conclusão de curso, também. este post nasceu de um thread no meu twitter, sumarizando perguntas que, durante a

os novos NORMAIS serão FIGITAIS

há muitas empresas achando que… “agora que COVID19 está passando, bora esquecer essa coisa de DIGITAL e trazer os clientes de volta pras lojas”… enquanto

Novas Formas de Pensar em Tempos Incertos

O HOMO SAPIENS anatomicamente moderno tem ceca de 200.000 anos. Há provas de que tínhamos amplo controle do fogo -talvez “a” tecnologia fundadora da humanidade-

Efeitos não biológicos de COVID19

A PARTIR do que já sabemos, quais os impactos e efeitos de médio e longo prazo da pandemia?… O que dizem as pesquisas, não sobre

APRENDER EM VELOCIDADE DE CRISE

TODOS OS NEGÓCIOS estiveram sob gigantesca pressão para fazer DUAS COISAS nas últimas semanas, quando cinco décadas de um processo de transformação digital que vinha,

UM ANTIVÍRUS para a HUMANIDADE

SARS-COV-2 é só um dos milhares de coronavírus que a ciência estima existir, ínfima parte dos 1,7 milhões de vírus desconhecidos que os modelos matemáticos

Mundo Injusto, Algoritmos Justos?

Se um sistema afeta a vida das pessoas, exige-se que seu comportamento seja justo. Pelo menos no que costumamos chamar de civilização. Ser justo é

Das nuvens, também chovem dados

Há uns meses, falamos de Três Leis da Era Digital, inspiradas nos princípios de Asimov para a Robótica. As Leis eram… 1ª: Deve-se proteger os

As Três Leis da Era Digital

Há setenta e oito anos, Isaac Asimov publicava a primeira versão do que todos conhecem como as Três Leis da Robótica[1]. A Primeira diz que

o apocalipse digital…

…segundo silvio meira, capítulo 55, versículo 2019, parágrafos 1 a 8. escrito em plena sexta-feira 13, num dos grupos de inovação [corporativa] mais animados e

por uma educação
“sem” distância

Uma versão editada do texto abaixo foi publicada no ESTADÃO em 28/08/2019, quando ninguém tinha a menor ideia de que toda a educação do país

uma classe para o brasil

este texto tem origem numa discussão [em grupos de zap, que depois se tornaram mesas de bar…] sobre o protagonismo do brasil em um particular cenário

Silvio Meira é cientista-chefe da TDS.company, professor extraordinário da CESAR.school e presidente do conselho do PortoDigital.org

contato@tds.company

Rua da Guia, 217, Porto Digital Recife.

tds.company
somos um negócio de levar negócios para o futuro, nosso objetivo é apoiar a transformação de negócios nascentes e legados nas jornadas de transição entre o presente analógico e o futuro digital.

strateegia
é uma plataforma colaborativa de estratégia digital para adaptação, evolução e transformação de negócios analógicos em plataformas e ecossistemas digitais, desenvolvido ao longo de mais de uma década de experiência no mercado e muitas na academia.