SILVIO MEIRA

diagramas para entender, criar, inovar e empreender: 2

este é o terceiro texto de uma série sobre diagramas para criar, inovar e empreender, como diz, aliás, o título. os textos não estão em ordem, muito menos no estágio de arrumação em que devem se tornar partes –quem sabe- de um livro, no futuro. nós começamos com um diagrama que parecia de venn mas não era, no primeiro texto, e o redesenhamos como um de venn, mesmo, para depois sobrepor um caminho no segundo diagrama. e tudo pra falar de um certo conjunto de bases para sustentar inovação.

pra continuar nossa conversa, imagine desenhar um kit de ferramentas [conceituais] para guiar atividades de criação, inovação e empreendedorismo.image por onde você começaria?  a ideo criou um destes kits, disponível em português, que começa com o diagrama ao lado, que vamos chamar de DPVS. agora a gente já sabe que este é um diagrama de venn, mesmo, aumentado por indícios de ações a serem realizadas numa certa ordem, para obter um dado resultado. no caso, criar soluções que sejam desejadas pelas pessoas e sejam viáveis financeira, política,… socialmente, sejam exequíveis, tecnologicamente, e sustentadas, organizacionalmente. o kit da ideo endereça a criação de soluções por organizações do terceiro setor, para um público cuja principal característica é a carência de políticas públicas e ausência do estado. mas mesmo que você esteja num banco, quase o radicalmente oposto de uma ONG, é fácil ver que se uma proposta para criar, inovar e empreender algo, no “seu” banco, não passar pelo menos pelo crivo das “lentes”, como a ideo chama [pra simplificar] os conjuntos representados na imagem ao lado… ela não vai rolar. alguma dúvida?

ótimo que concordamos. ou não? o diagrama acima retrata processos de inovação incremental, onde clientes e usuários [em potencial, de alguma coisa] imaginam que sabem o que querem e, havendo como elicitar seus desejos [isto é, definir as especificação do que eles querem], fazer um estudo de viabilidade e praticabilidade da solução requerida. olhando só para o diagrama, é claro que não é da interseção das três “lentes” da ideo que sai uma solução pronta para ser usada; o que o diagrama diz é que propostas que não estiverem na interseção dos três conjuntos não vão rolar. parece trivial, só que não. a história da maioria –senão a totalidade- das empresas está coalhada de coisas, na forma de esforço, tempo e dinheiro jogado fora em soluções que não pertenciam ao conjunto soluções da imagem acima. e isso falando de inovação incremental e dentro de negócios que nunca tiveram a menor propensão a fazer mais que isso.

mas a maior parte da literatura sobre inovação se refere a inovação radical. qual é a diferença, e há uma forma simples de definir as duas? sim: inovação incremental é melhorar o que já está sendo feito, melhorias dentro de um contexto onde nem as tecnologias mudam muito, nem usuários, nem o mercado, tampouco as soluções. inovação é radical quando há uma quebra de contexto, quando a nova solução tem pouca ou nenhuma relação com as que existiam anteriormente [se é que alguma existia]. inovação radical é fazer o que não estava sendo feito.

nada disso, também, deveria ser novidade, larry greiner já estabelecia conceitos muito parecidos em “Evolution and Revolution as Organizations Grow”, um clássico entre os textos sobre inovação, originalmente publicado em 1972. e porque é que a gente está falando disso aqui? daqui a pouco a gente chega lá.

o diagrama do início do texto é parte de um approach chamado human centered design, onde o processo de inovação não parte de possibilidades tecnológicas, de uso ou novos modelos de negócios, mas das demandas de humanos, reais, com problemas que precisam ser resolvidos sob pena de [grandes] perdas, especialmente nos casos para o qual o kit foi desenhado. um outro diagrama da ideo, no mesmo kit, define, visualmente, três [e não dois!] modos de inovação. como assim? olhe o diagrama abaixo [IE2R], que leva em conta as ofertas [soluções] existentes e novas e usuários, atuais e futuros.

image

human centered design [HCD] é o mesmo que desenho centrado no usuário [UCD], o processo de criação de soluções ao redor de necessidades, demandas e possibilidades dos usuários, de conjuntos de usuários. lendo o diagrama acima no contexto do kit da ideo, pode-se imaginar que qualquer uma das classes de inovação pode vir de processos do tipo HCD/UCD. inovação incremental, já vimos, melhora ofertas existentes para usuários atuais. e o diagrama mostra duas classes [conectadas] de inovação evolucionária: novas ofertas para usuários existentes e ofertas existentes para novos usuários. parece jogo de palavras… mas não é. nem pense que estas coisas acontecem naturalmente, sem ninguém fazer nada: há barreiras a vencer, às vezes mais difíceis do que mudar a vida dos usuários existentes, mudando as funcionalidades ou interfaces das suas soluções. você e eu já passamos por isso, quando nossos provedores de soluções mudaram [para o nosso bem?…] a interface de algum sistema. e olha que isso era a inovação incremental “clássica”.

a inovação incremental é evolucionária: cada um pode dar o nome que quiser ao tipo de inovação que faz, mas,image se a gente voltar para clássicos como o texto de greiner, dá pra continuar dividindo inovação em apenas duas grandes classes: as mudanças radicais [revolucionárias] e as incrementais [evolucionárias]. e o gráfico acima, que não tem nada a ver com teoria dos conjuntos, tenta nos dizer, combinando dois eixos binários num plano cartesiano, quais são as combinações possíveis, face ao que os eixos horizontal e vertical representam. olhe ao lado: se X quer dizer ofertas, então +X quer dizer novas e –X… as velhas; se Y “são” usuários, –Y são usuários existentes e +Y, os novos. sempre que a gente desejar construir cenários para alguma coisa, como inovação, é possível identificar [pelo menos] dois fatores de incertezas que podem ser mapeados em um diagrama como o que a ideo usa para explicas sua visão de inovação incremental, evolucionária e revolucionária: dois quadrantes, o II e o IV, são igualmente rotulados; o quadrante III é o de inovação incremental e o I, de inovação radical. só que não precisa ser assim e, na prática, raramente é assim.

em “Incremental and Radical Innovation: Design Research versus Technology and Meaning Change” norman e verganti desenham um cenário para inovação tomando por base tecnologia e significados [ou usos] ao invés de ofertas e usuários, e o resultado é o mostrado abaixo.

image

volte um pouco e compare este diagrama [pense nele como TRIM] com o IE2R da ideo: se havia, lá, três tipos de inovação… aqui parece haver quatro! mais: norman e verganti dizem que se as mudanças tecnológicas e as de significado são incrementais, o terceiro quadrante é o da inovação puxada pelo mercado, ou das inovações que as pessoas já sabem que precisam… que corresponde exatamente ao que se pode fazer se você juntar os usuários pra perguntar o que eles querem, que vem a ser o resultado de HCD/UCD. vez por outra, tecnologia muda pouco e os significados, muito; isso resulta em inovação baseada em usos; vez por outra, a tecnologia é radicalmente modificada e os usos mudam pouco, o que resulta em inovação forçada por novas tecnologias. e há os raros casos em que tecnologias e usos mudam simultânea e radicalmente, o que verganti nomeia como epifanias tecnológicas, as mudanças dramáticas de uso em função de mudanças radicais de tecnologia.

o problema, agora, é: como navegar nestes [diagramas de] cenários, como passar de um quadrante pra outro? norman e verganti têm uma teoria: eles dizem que HCD/UCD só gera inovação incremental, pra comecar, e que isso pode ser a base para os outros tipos de inovação, através de uma mudança radical de [bases de] tecnologia e [ou] significados [e/ou percepções e usos].

e isso faz com que apareça, pela primeira vez em nossa história, um diagrama que parece [mas talvez não seja] uma função matemática como as que nos acostumamos na escola, que mostramos abaixo.

image

resumo da ópera?  o diagrama PQDP, acima, diz que, ao trazer usuários para o processo de solução de um problema [ou evolução de uma solução existente, A], HCD vai lhe levar até um ponto [B], aquém da solução [potencialmente ótima] D; para transitar de B para outro espaço de solução, aqui representado pela curva C – D, também mediada por HCD, é preciso uma transição radical de tecnologia e/ou design sem a intervenção dos usuários, até que a solução volte a ser mediada com e por eles. a transição B – C é abrupta e não passa [pelo menos em tese] por soluções “piores” do que A mas, ao trocar o contexto problema/solução, terá resultados piores do que B. e, segundo norman e verganti, não há como saber, seja lá qual for o contexto, se a transição B – C vai levar a solução [ou soluções] melhor[es] ou pior[es] do que B, a priori. por isso que os cautelosos “morrem” em B, ou antes, e os “medrosos” morrem em A. mas isso é outra história, de aversão a risco, com seus próprios diagramas, que a gente vai ver em outro texto da série. até lá.

Outros posts

E AÍ… IA [II]

Trabalho, Emprego e IA   Há uma transformação profunda do trabalho e da produção, como parte da transformação figital dos mercados, da economia e da

EFEITOS DE REDE E ECOSSISTEMAS FIGITAIS [XV]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

E AÍ, IA… [I]

IA fará com que todos sejam iguais em sua capacidade de serem desiguais. É o maior paradoxo desde que Yogi Berra disse… ‘Ninguém mais vai

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [XII]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [xi]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [x]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [ix]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [vi]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [v]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [iv]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

chatGPT: cria ou destrói trabalho?

O potencial de relevância e impacto inovador de transformadores [veja A Grande Transformação dos Transformadores, em bit.ly/3iou4aO e ChatGPT is everywhere. Here’s where it came

A Grande Transformação dos Transformadores

Um transformador, na lembrança popular, era [ainda é] a série de filmes [Transformers, bit.ly/3Qp97cu] onde objetos inanimados, inconscientes e -só por acaso- alienígenas, que existiam

Começou o Governo. Cadê a Estratégia?

Estamos em 02/01/2023. Ontem foram as posses e os discursos. Hoje começam a trabalhar um novo Presidente da República, dezenas de ministros e ainda serão

23 anotações sobre 2023 [xxiii]

Este é o 23° de uma série de textos sobre o que pode acontecer, ou se tornar digno de nota, nos próximos meses e poucos

23 anotações sobre 2023 [xxii]

Este é o 22° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xxi]

Este é o 21° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xx]

Este é o 20° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xix]

Este é o 19° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xviii]

Este é o 18° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xvii]

Este é o 17° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xvi]

Este é o 16° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xv]

Este é o 15° de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [xiv]

Este é o décimo quarto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xiii]

Este é o décimo terceiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xii]

Este é o décimo segundo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [xi]

Este é o décimo primeiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se

23 anotações sobre 2023 [x]

Este é o décimo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [ix]

Este é o nono de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [viii]

Este é o oitavo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [vii]

Este é o sétimo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [vi]

Este é o sexto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [v]

Este é o quinto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [iv]

Este é o quarto de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [iii]

Este é o terceiro de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [ii]

Este é o segundo de uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar

23 anotações sobre 2023 [i]

Esta é uma série de textos curtos, de uns poucos parágrafos e alguns links, sobre o que pode acontecer, ou se tornar digno de nota,

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [ii]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

Efeitos de Rede e Ecossistemas Figitais [i]

Uma série, aqui no blog [o primeiro texto está em… bit.ly/3zkj5EE, o segundo em bit.ly/3sWWI4E, o terceiro em bit.ly/3ycYbX6, o quarto em… bit.ly/3ycyDtd, o quinto

O Metaverso, Discado [4]

Este é o quarto post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor começar lendo o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g], que tem um link pro

O Metaverso, Discado [3]

Este é o terceiro post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor começar lendo o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g], que tem um link pro

O Metaverso, Discado [2]

Este é o segundo post de uma série dedicada ao metaverso. É muito melhor ler o primeiro [aqui: bit.ly/3yTWa3g] antes de começar a ler este aqui. Se puder, vá lá, e volte aqui.

O Metaverso, Discado [1]

O metaverso vai começar “discado”. E isso é bom. Porque significa que vai ser criado e acontecer paulatinamente. Não vai rolar um big bang vindo

chega de reuniões

um ESTUDO de 20 empresas dos setores automotivo, metalúrgico, elétrico, químico e embalagens mostra que comportamentos disfuncionais em REUNIÕES [como fugir do tema, reclamar, criticar…

Definindo “o” Metaverso

Imagine o FUTEBOL no METAVERSO: dois times, A e B, jogam nos SEUS estádios, com SUAS bolas e SUAS torcidas. As BOLAS, cada uma num

Rupturas, atuais e futuras,
no Ensino Superior

Comparando as faculdades com outras organizações na sociedade,percebe-se que sua peculiaridade mais notável não é seu produto,mas a extensão em que são operadas por amadores.

O que é Estratégia?

A primeira edição do Tractatus Logico-Philosophicus [TLP] foi publicada há exatos 100 anos, no Annalen der Naturphilosophie, Leipzig, em 1921. Foi o único livro de

O Brasil Tem Futuro?

Uma das fases mais perigosas e certamente mais danosas para analisar e|ou entender o nosso país é a de que “O Brasil é o país

Os Velhos Envelopes, Digitais

Acho que o último envelope que eu recebi e não era um boleto data da década de 1990, salvo uma ou outra exceção, de alguém

Houston, nós temos um problema…

Este texto é uma transcrição editada de uma intervenção no debate “De 1822 a 2022 passando por 1922 e imaginando 2122: o salto [?] da

Pessoas, Games, Gamers, Cavalos…

Cartas de Pokémon voltaram à moda na pandemia e os preços foram para a estratosfera. Uma Charizard holográfica, da primeira edição, vale dezenas de milhares

As Redes e os Currais Algorítmicos

Estudos ainda limitados[1] sobre política e sociedade mostram que a cisão entre centro [ou equilíbrio] e anarquia [ou caos] é tão relevante quanto a divisão

O Trabalho, em Transição

Trabalho e emprego globais estão sob grande impacto da pandemia e da transformação digital da economia, em que a primeira é o contexto indesejado que

O ano do Carnaval que não houve

Dois mil e vinte e um será, para sempre, o ano do Carnaval que não houve. Quem sentirá na alma são os brincantes para quem

Rede, Agentes Intermediários e Democracia

Imagine um provedor de infraestrutura e serviços de informação tomando a decisão de não trabalhar para “um cliente incapaz de identificar e remover conteúdo que

21 anotações sobre 2021

1 pode até aparecer, no seu calendário, que o ano que vem é 2021. mas não: é 2025. a aceleração causada por covid19, segundo múltiplas

A Humanidade, em Rede

Redes. Pessoas, do mundo inteiro, colaborando. Dados, de milhares de laboratórios, hospitais, centros de pesquisa e sistemas de saúde, online, abertos, analisados por sistemas escritos

tecnologia e[m] crises

tecnologia, no discurso e entendimento contemporâneo, é o mesmo que tecnologias da informação e comunicação, TICs. não deveria ser, até porque uma ponte de concreto

o que aconteceu
no TSE ontem?

PELA PRIMEIRA VEZ em muitos anos, o BRASIL teve a impressão de que alguma coisa poderia estar errada no seu processo eleitoral, e isso aconteceu

CRIAR um TEMPO
para o FUTURO

em tempos de troca de era, há uma clara percepção de que o tempo se torna mais escasso. porque além de tudo o que fazíamos

Duas Tendências Irreversíveis, Agora

O futuro não acontece de repente, todo de uma vez. O futuro é criado, paulatinamente, por sinais vindos de lá mesmo, do futuro, por caminhos

futuro: negócios e
pessoas, figitais

em tempos de grandes crises, o futuro, às vezes mais do que o presente, é o centro das preocupações das pessoas, famílias, grupos, empresas e

bom senso & saber

uma pergunta que já deve ter passado pela cabeça de muita gente é… o que é o bom senso, e como é que a gente

uma TESE são “só” 5 coisas…

…e uma dissertação e um trabalho de conclusão de curso, também. este post nasceu de um thread no meu twitter, sumarizando perguntas que, durante a

os novos NORMAIS serão FIGITAIS

há muitas empresas achando que… “agora que COVID19 está passando, bora esquecer essa coisa de DIGITAL e trazer os clientes de volta pras lojas”… enquanto

Novas Formas de Pensar em Tempos Incertos

O HOMO SAPIENS anatomicamente moderno tem ceca de 200.000 anos. Há provas de que tínhamos amplo controle do fogo -talvez “a” tecnologia fundadora da humanidade-

Efeitos não biológicos de COVID19

A PARTIR do que já sabemos, quais os impactos e efeitos de médio e longo prazo da pandemia?… O que dizem as pesquisas, não sobre

APRENDER EM VELOCIDADE DE CRISE

TODOS OS NEGÓCIOS estiveram sob gigantesca pressão para fazer DUAS COISAS nas últimas semanas, quando cinco décadas de um processo de transformação digital que vinha,

UM ANTIVÍRUS para a HUMANIDADE

SARS-COV-2 é só um dos milhares de coronavírus que a ciência estima existir, ínfima parte dos 1,7 milhões de vírus desconhecidos que os modelos matemáticos

Mundo Injusto, Algoritmos Justos?

Se um sistema afeta a vida das pessoas, exige-se que seu comportamento seja justo. Pelo menos no que costumamos chamar de civilização. Ser justo é

Das nuvens, também chovem dados

Há uns meses, falamos de Três Leis da Era Digital, inspiradas nos princípios de Asimov para a Robótica. As Leis eram… 1ª: Deve-se proteger os

As Três Leis da Era Digital

Há setenta e oito anos, Isaac Asimov publicava a primeira versão do que todos conhecem como as Três Leis da Robótica[1]. A Primeira diz que

o apocalipse digital…

…segundo silvio meira, capítulo 55, versículo 2019, parágrafos 1 a 8. escrito em plena sexta-feira 13, num dos grupos de inovação [corporativa] mais animados e

por uma educação
“sem” distância

Uma versão editada do texto abaixo foi publicada no ESTADÃO em 28/08/2019, quando ninguém tinha a menor ideia de que toda a educação do país

uma classe para o brasil

este texto tem origem numa discussão [em grupos de zap, que depois se tornaram mesas de bar…] sobre o protagonismo do brasil em um particular cenário

Silvio Meira é cientista-chefe da TDS.company, professor extraordinário da CESAR.school e presidente do conselho do PortoDigital.org

contato@tds.company

Rua da Guia, 217, Porto Digital Recife.

tds.company
somos um negócio de levar negócios para o futuro, nosso objetivo é apoiar a transformação de negócios nascentes e legados nas jornadas de transição entre o presente analógico e o futuro digital.

strateegia
é uma plataforma colaborativa de estratégia digital para adaptação, evolução e transformação de negócios analógicos em plataformas e ecossistemas digitais, desenvolvido ao longo de mais de uma década de experiência no mercado e muitas na academia.